Avançar para o conteúdo principal

Big Brother strikes again



Data e hora ligação à Internet, endereço de IP, nome e endereço do utilizador ou subscritor do serviço, localização de aparelhos móveis – são apenas alguns dos dados que, a partir de amanhã, os operadores de telecomunicações passam a ter de guardar durante um ano, para o caso de um juiz requerer a informação. De fora desta medida fica todo o conteúdo das comunicações, cuja retenção continua a ser proibida.

Continuo a dizer, se a PIDE no seu tempo, tivesse tido acesso a este tipo de tecnologia, seria uma polícia política muito poderosa...Multibanco, Via Verde, e agora isto (e futuramente os chips de matrícula): maneiras de controlar por onde andamos e uma intromissão na nossa vida, e tudo em nome da segurança. E por isso nós o aceitamos...
E em nome da segurança "1984" é cada vez mais real...

Comentários

  1. Anónimo21:15

    Só um "anjinho" acredita que só a partir de amanhã é que os ISPs vão guardar isso. Eles já têm toda essa informação.

    ResponderEliminar
  2. Pois têm, assim como os telemóveis também já têm acesso a esses dados há muito tempo...Mas isso não invalida de se chamar à atenção e dar um grito de alerta. A conformação é o pior que se pode fazer...
    Por exemplo, tu que te achas tão resguardado no teu perfil de anónimo, se eu tivesse esta tecnologia ao meu dispor, saberia onde te encontravas...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo09:47

    Se tiveres acesso aos dados do meu ISP , quer com lei, quer sem ela, sabes relacionar IP com a pessoa.

    ResponderEliminar
  4. Bom...se me procuraremn pelo meu IP vão ter que andar muito da perninha, pois a busca diz que me encontro lá para os lados de Setúbal :o)
    Brincadeira à parte..."Segurança - Um pau de dois bicos. Uma história interminável"

    Tudo de bom (com segurança e sem pide)

    ResponderEliminar
  5. Eles só devem ter dado esta notícia para nós cidadão comum, não ficarmos espantados se um dia tivermos o azar de sermos "revistados" pelos ISP'se afins. Assim já nos poderão dizer que a lei permite fazer isto ou aquilo. Mas já agora se a internet é insegura em Portugal, segundo notícias que vieram a público, não percebo o porquê de eles quererem tanta segurança.........

    ResponderEliminar
  6. Esta também é uma forma de terrorismo... o alerta de que estão a ser vigiadas...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...