Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2016

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...

6

E se fosse proibido abraçar?


João,

Esta carta não é um pedido de perdão, é uma tentativa egoísta de limpar a consciência. Bem ao meu jeito, dirás tu…

Tivemos uma relação conturbada e sei que a mim e aos meus medos se deveu.

Vivi uma vida dupla, de dia, marido e pai extremoso, à noite era um gajo que não tinha problema nenhum em ir para um qualquer quarto escuro de uma qualquer discoteca e fazer um broche a um quase perfeito desconhecido. Não te importas-te, acreditavas em finais felizes e que o amor tudo pode conquistar, nem te passava pela cabeça que existem muitos cabrões por aí e que eu poderia ser um deles.

Entraste de mansinho na minha vida com o teu jeito sossegado e discreto, com o teu sóbrio silêncio a povoar os meus dias, e os teus carinhos a aquecerem as minhas noites.

Quiseste levar a tua felicidade para o mundo, quiseste levar a nossa cumplicidade para fora das quatro paredes, e eu tive medo. Não pela minha mulher, pois acho que ela, primeiro que eu, soube das minhas preferência…