Avançar para o conteúdo principal

6

E se fosse proibido abraçar?


João,

Esta carta não é um pedido de perdão, é uma tentativa egoísta de limpar a consciência. Bem ao meu jeito, dirás tu…

Tivemos uma relação conturbada e sei que a mim e aos meus medos se deveu.

Vivi uma vida dupla, de dia, marido e pai extremoso, à noite era um gajo que não tinha problema nenhum em ir para um qualquer quarto escuro de uma qualquer discoteca e fazer um broche a um quase perfeito desconhecido. Não te importas-te, acreditavas em finais felizes e que o amor tudo pode conquistar, nem te passava pela cabeça que existem muitos cabrões por aí e que eu poderia ser um deles.

Entraste de mansinho na minha vida com o teu jeito sossegado e discreto, com o teu sóbrio silêncio a povoar os meus dias, e os teus carinhos a aquecerem as minhas noites.

Quiseste levar a tua felicidade para o mundo, quiseste levar a nossa cumplicidade para fora das quatro paredes, e eu tive medo. Não pela minha mulher, pois acho que ela, primeiro que eu, soube das minhas preferências sexuais, mas pelo mundo. Esse mundo que via em mim um marido, um pai, o bem sucedido gestor dum banco, o gajo que joga à bola, e que bebe umas cervejas com os amigos.

E se o mundo me visse a abraçar-te em plena rua? O que diriam? Paneleiro, era o que diriam!!

Os gajos da bola com medo que eu os apreciasse no balneário, os amigos por já não poderem gozar com as bichas, e não fazer agora qualquer sentido galar as miúdas.

O mundo subjugou-me, não te deixei dar-me um simples abraço, e tudo por medo, somente medo, e agora faz-me falta o teu abraço..

Comentários

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...