segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

I've been a very naughty, naughty girl...


A cortina abre-se, e sobre o palco, homens e mulheres, cumprem e encenam o seu papel, papel que a sociedade escreveu para eles...namoram, casam, trabalham, têm filhos, fazem conversa de circunstância, não falam de política, nem de religião, nem de foder...
Mas debaixo da sua carne palpitante, respiram desejos e fantasias secretas, escondendo-se debaixo de camadas e camadas de polidez e boa educação, relegadas para um baú secreto. E este baú, qual caixa de Pandora, não poderá nunca ser aberto, sob o risco de se descobrirem loucas fantasias , intermináveis orgias e desejos sufocantes...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Teddy Bear

Imagem retirada daqui

Estou sozinho...
Imerso no caos que me atormenta e me asfixia...
Procurando todos os dias uma nova saída...

Procuro até nas reminiscências da minha infância,
Infância nada inocente, infância também ela atormentada,
Espelho da minha realidade de hoje...

Pergunto-me se o meu peluche me irá salvar desta vez,
Ele, que afastou tantos fantasmas quando eu era impúbere...


I Am...

Filme "A Single Man"

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Rendição

Amedeo MODIGLIANI , Recycling Nude

Estou rendida e desamparada...
Espero pelos teus beijos,
Sentindo os teus lábios na minha pele,
Sentido a tua boca sôfrega a explorar-me...

sábado, 27 de novembro de 2010

A noite de Ravensbruck


Vais morrer entre as quatro paredes deste campo. Aqui entra-se por aqueles portões e sai-se pela chaminé, feita fumo !

* Quando aqui cheguei, um esqueleto ambulante veio ter comigo e perguntou-me se tinha alguma coisa que lhe desse para comer, para beber, queria chocolate... (Odette, deportada)
* Vais morrer entre as quatro paredes deste campo. Aqui entra-se por aqueles portões e sai-se pela chaminé, feita fumo ! (Guarda Muller)
* Nós quando éramos gente usávamos papelotes para fazer caracóis, para nos pormos bonitas, à moda de Paris ! (Sara, deportada)
* O melhor espectáculo que posso ter num campo como este, que foi o campo da minha juventude, é a cerimónia das chamadas. A chamada é o temor das mulheres frágeis, é quando as que se cagam, cagam mesmo e acabam ali ! (Guarda Muller)
* As nossas cabeças rapadas, as nossas fardas às riscas, os nossos socos agarrados à lama, os nossos olhos que não se erguem do chão ! (coro das deportadas)
* Ontem à tarde, quatro deportadas e uma ucraniana evadiram-se deste campo ! (altifalante do campo de concentração)
* Uma bota nazi nunca teve gente dentro, meu amor ! (Sara, deportada)
* Pobre de mim, que sempre obedeci a ordens e agora devo ser sacrificada ! (Guarda Muller)
*Ave, viva, liberdade / Finalmente chegaste / Já não há uma única grade / Já não há sequer um carrasco / Todos são livres / livres / livres / livres (coro das deportadas)
* Mamã, mamã ! Diz-se carrasco ou carrasca ? Verdugo ou verduga, mamâ ? (Filha)

in, «A noite de Ravensbruck»
19-11-2010 a 28-11-2010 Cine-Teatro Constantino Nery - Matosinhos

Quem Morre?

Morre lentamente
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente
quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco
e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções,
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente
quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projecto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior
que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade.
- Martha Medeiros -

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Sexta-feira à noite

Sexta-feira à noite
os homens acariciam o clitóris das esposas
com dedos molhados de saliva.
O mesmo gesto com que todos os dias
contam dinheiro papéis documentos
e folheiam nas revistas
a vida dos seus ídolos.

Sexta-feira à noite
os homens penetram suas esposas
com tédio e pênis.
O mesmo tédio com que todos os dias
enfiam o carro na garagem
o dedo no nariz
e metem a mão no bolso
para coçar o saco.

Sexta-feira à noite
os homens ressonam de borco
enquanto as mulheres no escuro
encaram seu destino
e sonham com o príncipe encantado.
- Marina Colasanti -

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Does anybody help me?


Quis falar aos meus governantes, mas tinham a agenda ocupada;
Liguei para os meus professores, mas o número não se encontrava atribuído;
Escrevi ao meu bispo, mas o mail estava cheio;
Finalmente, ajoelhei-me, entrelacei as mãos e olhei para os céus...
Mas...
Deus estava cego...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ofuscação colorida

Imagem retirada daqui

As imagens coloridas sucedem-se em catadupa,
Ofuscam o meu cérebro com as suas cores brilhantes e anestesiantes,
Os meus neurónios ficam inertes perante toda esta profusão,
Recusando-se a questionar e criticar.

Mas tenho receio de fechar as pálpebras,
Tenho medo que as cores se tornem monocromáticas...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Why is the wall so high?

Mother, do you think they'll drop the bomb?
Mother, do you think they'll like this song?
Mother, do you think they'll try to break my balls?
Mother, should I build the wall?
Mother, should I run for President?
Mother, should I trust the government?
Mother, will they put me in the firing line?
Is it just a waste of time?

Hush now baby, baby, don't you cry
Momma's gonna make all of your nightmares come true
Momma's gonna put all of her fears into you
Momma's gonna keep you right here under her wing
She won't let you fly, but she might let you sing
Momma's will keep Baby cozy and warm
Oooo Babe
Oooo Babe
Ooo Babe, of course Momma's gonna help build the wall

Mother, do you think she's good enough
For me?
Mother, do you think she's dangerous
To me?
Mother will she tear your little boy apart?
Mother, will she break my heart?

Hush now baby, baby, don't you cry
Momma's gonna check out all your girlfriends for you
Momma won't let anyone dirty get through
Momma's gonna wait up until you get in
Momma will always find out where you've been
Momma's gonna keep Baby healthy and clean
Oooo Babe
Oooo Babe
Ooo Babe, you'll always be Baby to me

Mother, did it need to be so high?

- Mother, Pink Floyd -

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

The Lovers - Schiele Egon

´Nada nem ninguém me poderia tirar o que temos.´
in, "Não há coincidências"

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Saudade

Retirada daqui

Amor quão longe tu estás
Amor quão longe tu estás

Saudade

Amada
Senhora
Lágrima do céu
Amada
Senhora
Morro de paixão

- Saudade, Heróis do Mar -

Stairway

Imagem retirada daqui

Estas escadas já assistiram a histórias de loucas perseguições,
fugas a amores irados e inacabados,
fodas loucas e inebriantes,
Agora...
São apenas testemunhas silenciosas do meu cansaço...
Cansaço de discursos vácuos e palavras ocas repetidas até à exaustão...

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Quero Voar


Quero voar
-mas saem da lama
garras de chão
que me prendem os tornozelos.

Quero morrer
-mas descem das nuvens
braços de angústia
que me seguram pelos cabelos.

E assim suspenso
no clamor da tempestade
como um saco de problemas
-tapo os olhos com as lágrimas
para não ver as algemas...

(Mas qualquer balouçar ao vento me parece Liberdade.)


- José Gomes Ferreira -

Sinto...

Hoje sinto saudade…
Saudade que provoca dor física e aperta o coração…
Hoje sinto angústia e tristeza…


sábado, 18 de setembro de 2010

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Chains

Imagem retirada daqui

...E passamos a vida numa vã tentativa de quebrar as correntes que nos aprisionam...


segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Máscaras

No Teatro D.Maria II está em exibição a peça "Um eléctrico chamado Desejo" , obra de Tennessee Williams, peça que eu estou com uma enorme expectativa em ir ver...Adoro este autor, pela sua linguagem ambígua e velada, e pelas personagens que constrói. Personagens complexas, com muitos fantasmas...
Claro que elas não nos são apresentadas desta maneira. São-nos apresentadas de uma forma um pouco altiva, prepotente, como se o mundo fosse deles, e ao longo da peça essa máscara vai caindo...É-nos apresentada a sua humanidade, as suas fraquezas, e essa máscara vai-se decompondo e destruindo.
O que me leva às máscaras que algumas pessoas constroem...não deixa de ser interessante estarmos num evento, um jantar, por exemplo, e observar aquelas pessoas que estão ao nosso redor. É interessante ver que, afinal algumas formas de estar,um pouco incompreensíveis para mim, não são mais do que isso: máscaras...
Máscaras que escondem a vulnerabilidade, máscaras que escondem a tristeza, máscaras que escondem a solidão...
E é interessante vê-las cair. E sinto pena, pela necessidade que se cola à pele de as utilizarem...

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Diário do quotidiano

Levanto-me às 6h00,
Um pequeno-almoço pouco nutritivo e à pressa…
Corro para apanhar o barco,
Acompanham-me as conversas fúteis
E os suores dos sovacos alheios,
Procuro alhear-me refugiando-me no meu mp3.
O barco atraca,
Acompanho a manada…

Chego ao trabalho,
A realidade não é muito diferente…
A manada pica o ponto,
É controlada e contada,
Verifica-se se ninguém se tresmalhou…
Dirigem-se à cocheira respectiva,
Ruminam e regurgitam papéis e futilidades…
Historietas sobre a sua família, os sobrinhos, o marido…
Como se me interessasse minimamente as suas patéticas vidinhas…

A hora do trabalho acabou finalmente,
Enfrento mais uma vez o sacrifico dos suores estranhos,
Chego a casa,
Preparo o jantar congelado,
Vegeto no sofá em frente à TV…
Tentativa de homicídio ao pensamento crítico,
Tentativa de condicionamento de ideias diferentes
Através da injecção de ocas imagens…

Deito-me…
Amanhã é outro dia…
Dia igual a este…

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.
- Sophia de Mello Breyner Andresen -

domingo, 15 de agosto de 2010

Cores

Imagem retirada daqui

Quero olhar para o que me rodeia, mas não a preto e branco...
Dêem-me cores, com todas as suas nuances...
Não quero a vida escrita num catálogo...
Apenas a quero viver.


Retirado daqui

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

A soldado desconhecida

"Josefa, 21 anos, a viver com a mãe. Estudante de Engenharia Biomédica, trabalhadora de supermercado em part-time e bombeira voluntária. Acumulava trabalhos e não cargos - e essa pode ser uma primeira explicação para a não conhecermos. Afinal, um jovem daqueles que frequentamos nas revistas de consultório, arranja forma de chamar os holofotes. Se é futebolista, pinta o cabelo de cores impossíveis; se é cantora, mostra o futebolista com quem namora; e se quer ser mesmo importante, é mandatário de juventude. Não entra é na cabeça de uma jovem dispersar-se em ninharias acumuladas: um curso no Porto, caixeirinha em Santa Maria da Feira e bombeira de Verão. Daí não a conhecermos, à Josefa. Chegava-lhe, talvez, que um colega mais experiente dissesse dela: "Ela era das poucas pessoas com que um gajo sabia que podia contar nas piores alturas." Enfim, 15 minutos de fama só se ocorresse um azar... Aconteceu: anteontem, Josefa morreu em Monte Mêda, Gondomar, cercada das chamas dos outros que foi apagar de graça. A morte de uma jovem é sempre uma coisa tão enorme para os seus que, evidentemente, nem trato aqui. Interessa-me, na Josefa, relevar o que ela nos disse: que há miúdos de 21 anos que são estudantes e trabalhadores e bombeiros, sem nós sabermos. Como é possível, nos dias comuns e não de tragédia, não ouvirmos falar das Josefas que são o sal da nossa terra?"
-
FERREIRA FERNANDES, in DN -

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

The uncertainty hang's over me ...
What brings to my memory, do I really exist or am I the product of somebody's imagination?

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Carpe Diem


O valioso tempo dos maduros

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.
'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!


- Mário de Andrade -

terça-feira, 20 de julho de 2010

Need you now

Picture perfect memories,
Scattered all around the floor.
Reaching for the phone
'cause I can't fight it any more.
And I wonder if I ever cross your mind
For me it happens all the time.
It's a quarter after one, I'm all alone and I need you now.
Said I wouldn't come but I lost all control and I need you now.
And I don't know how I can do without, I just need you now.
Another shot of whiskey, can't stop looking at the door.
Wishing you'd come sweeping in the way you did before.
And I wonder if I ever cross your mind.
For me it happens all the time.
It's a quarter after one, I'm a little drunk,
And I need you now.
Said I wouldn't call but I lost all control and I need you now.
And I don't know how I can do without, I just need you now.
Yes, I'd rather hurt than feel nothing http://www.blogger.com/post-create.g?blogID=31260787at all.
It's a quarter after one, I'm all alone and I need you now.
And I said I wouldn't call but I'm a little drunk and I need you now.
And I don't know how I can do without, I just need you now.
I just need you now.
Oh baby I need you now

- Need you Now, Lady Antebellum

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Darkness

Imagem retirada daqui

Penso...
Penso, em nada...
Os meus pensamentos são demasiado escuros
para poderem ser encontrados...
Escuros como a noite,
Escuros como vodca preta
Embebedam os meus sentidos,
Toldam os meus desejos.


terça-feira, 29 de junho de 2010

Cativar

Google celebra 110º aniversário de Saint-Exupéry

" Que quer dizer “cativar”?- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer “cativar”?
- Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que eles fazem. Tu procuras galinhas?
- Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer “cativar”?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa “criar laços...”- Criar laços?- Exatamente, disse a raposa. Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
- Começo a compreender, disse o principezinho. Existe uma flor... eu creio que ela me cativou...
- É possível, disse a raposa. Vê-se tanta coisa na Terra..."

quinta-feira, 24 de junho de 2010

I am superior to you all...
And it´s great knowing that!!
(I bet you're thinking "such a bitch"...
Well...I can handle with your stupid ideias)


segunda-feira, 21 de junho de 2010

Paz...
Relaxe...
Serenidade...
Parece que o universo voltou a estar em harmonia, e de repente tudo voltou a fazer sentido...

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Seios

"Porque não há
Padarias que em vez de pão nos dêem seios
Logo p'la manhã?

Quantas vezes
Interrogastes, ao espelho, os seios?

Tão tolos os teus seios! Toda a noite
Com inveja um do outro, toda a santa
Noite!

Quantos seios ficaram por amar?"

Alexandre O'Neill

Retirado daqui

domingo, 23 de maio de 2010

NIKE WRITE THE FUTURE


Não gosto de futebol, acho que a nossa Selecção vai fazer uma triste figura, e em Junho os problemas queo nosso país enfrenta irão desaparecer...efeitos do ópio do povo. Não obstante tudo isto, este vídeo está mesmo demais...

quarta-feira, 12 de maio de 2010

The Story of My Life

Vivemos, sofremos, amamos, caímos e levantamo-nos de novo...
Tanto vivemos, e muitas vezes a história da nossa vida é contada em 5 minutos...

sábado, 8 de maio de 2010

Sem Rede...

...é o nome da exposição de Joana Vasconcelos no Museu Berardo. Só tenho uma palavra para a descrever: fenomenal!!

Objectos tão normais e corriqueiros do nosso dia a dia transformam-se em arte. Vale a pena ver e rever.


video

segunda-feira, 26 de abril de 2010

"O amor de duas criaturas humanas talvez seja a tarefa mais difícil que nos foi imposta, a maior e última prova, a obra para a qual todas as outras são apenas uma preparação."

- Rainer Maria Rilke, Cartas a um Jovem Poeta -

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Equilibrio

O Universo tende para o equlíbrio, tudo se conjuntando, tudo funcionando com a precisão de um relógio suiço...
Tic Tac Tic Tac...
No entanto esse equilibrio é muito precário, assentando em pilares muito fragéis...
E quando começa a entrar areia na engranagem, tudo se torna uma ameaça a esse equilíbrio...

sábado, 10 de abril de 2010

Vazio


"Era um cansaço que nunca experimentara antes. Uma profunda fadiga estrutural, como uma ponte antiga que tivesse sustentado várias eras de trânsito e aguentado com imparáveis toneladas de água."
- in, "O Cego de Sevilha", Robert Wilson

Tal como a paisagem lá fora, os pensamentos sucedem-se a uma velocidade vertiginosa, não se fixando em nada de concreto. Limitam-se a atropelarem-se, uns atrás dos outros.
Saio lá para fora…
Espera-me uma paisagem estéril, abandonada, esquecida por tudo e todos. Uma paisagem no meio do nada, rodeada pelo nada…
Sinto uma inquietação dentro de mim, sinto-me incomodada por todo este grande vazio, sem saber a razão para tal.
E de repente sei…
Também eu me sinto invadida por uma desolação sem fim, vazia, oca.
Tanto falei, tanto analisei todos os pensamentos e acções, que agora me sinto vazia.
Sinto que a minha alma fugiu de mim, sinto que o meu ser já não me pertence.
Sinto-me como um barco à deriva, que perdeu a âncora que o prendia, sinto-me no meio da tempestade.
Sinto-me perdida…
Gostava de adormecer e acordar só daqui a algum tempo, quando a minha alma regressasse ao meu corpo…
© MAC -

quinta-feira, 8 de abril de 2010

NÃO HÁ ÉTICAS INDOLORES


Foi no outro dia, num seminário, que ouvi esta frase fabulosa...A palavra ética deriva de Ethos (morada), e na nossa sociedade torna-se dificil construir e solidificar esta nossa morada interior. A sociedade encontra-se cada vez mais virada para o consumo imediato, para a cultura "mastiga e deita fora". O aqui e agora, a aquisição de bens materiais como forma de provar um status, substituiram o "querer ser" pelo "querer ter", cultivando-se o culto da eficácia e do sucesso. Sinto como se palavras como "dever" e "princípios" pertencessem a épocas remotas.
Construir a nossa morada interior, implica ser responsável pelas nossas acções, aceitando as suas consequências. É muito mais fácil olhar para o lado,omitir o desagradável, deitar fora o que não interessa e adquirir algo de novo. Ser ético implica um grande esforço, implica não desistir e ter a coragem de construir algo, mesmo que as consequências das nossas verdades impliquem um desabar do nosso mundo.
Tenho sentido na pele as consequências de ser-se sincero, e por vezes desejo voltar atrás e apagar esse momento da minha vida. Teria sido tudo bem mais fácil...
Mas...se calhar as escolhas teriam sido diferentes; resta-me a consolação de saber que fiz a escolha acertada e de saber que posso olhar-me ao espelho...

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Velhos Amantes

Amor que grita, amor que cala / amor que ri, amor que chora / mil vezes eu peguei na mala / mil vezes tu te foste embora / E tanto barco a ir ao fundo / tornava o mar da nossa casa / em oceano de loucura / quando oscilava o nosso mundo / eu perdia o golpe de asa / e tu o gosto da aventura / Ai meu amor amargo doce e deslumbrante amor / amor à chuva, amor em sol maior / amor demais amor eterno / Conheço bem os teus desejos / e tu as minhas fantasias /
morreste em mim todos os beijos / nasci em ti todos os dias / Se muita vez fomos traição / e muita vez mudou o vento / e muito gesto foi insulto / em tanta dor de mão-em-mão / nós aprendemos o talento / de envelhecer sem ser adultos / Ai meu amor amargo doce e deslumbrante amor / amor à chuva, amor em sol maior / amor demais amor eterno / E quanto mais o tempo passa / e quanto mais a vida flui / e quanto mais se perde a graça / do que tu foste e da que eu fui / Mais a ternura nos aperta / mais a palavra fica certa / mais o amor toma lugar / envelhecemos mais depressa / mas nos teus olhos a promessa / vai-se cumprindo devagar / Ai meu amor amargo doce e deslumbrante amor / amor à chuva, amor em sol maior / amor demais amor eterno.

"Os Velhos Amantes" - cantado por Misia, adaptado por Rosa Lobato Faria

Ying/Yang, noite/dia, optimismo/pessimismo, serenidade/tempestade, chuva/sol ...mil vezes a ameaça da partida, mil desentendimentos...
Tudo coisas que à primeira vista poderiam ser vistas como ameaças, e ser vistas como motivo de afastamento, mas que quanto a mim tem vindo a servir para consolidar ainda mais os nossos sentimentos e a ajudar-nos a percorrer o nosso caminho.
Apesar de todas as nossas diferenças, conseguimos cultivar um companheirismo, cumplicidade, um querer estar...
Se alguém trilhar um caminho de montanha, e não se deparar com qualquer obstáculo, chega-se ao cimo sem qualquer sensação em especial. Agora, se depararmos com silvas que nos deixam todos arranhados, com pedras que teimam em barrar-nos o caminho, com subidas ingremes que nos cortam a respiração, quando chegamos ao fim sentimos uma felicidade e um extâse sem par. E tu és a pessoa ideal para trilhar este caminho, pois não vais à minha frente para alumiar o caminho, nem vais atrás de mim para me empurrares. Vamos antes lado a lado, ajudando-nos mutuamente perante as dificuldades que surgem...
© MAC -

terça-feira, 23 de março de 2010

Santa Maria do Bouro

video

Fui passar o fim de semana aqui: Pousada de Santa Maria do Bouro.
Um local idílico,
A chuva, o nevoeiro,
A beleza e a paz dos claustros,
A lareira acesa e o cheiro a fumo,
As nossas conversas,
Tu...
Mais uma vez, é um privilégio ter estado (e estar) aqui contigo...

terça-feira, 16 de março de 2010

quarta-feira, 10 de março de 2010

Alice

Ainda neste Domingo no "Câmara Clara", falou-se de Lewis Carroll, e da sua Alice, tentando-se esmiuçar o que terá estado por detrás de tanta imaginação, se drogas, se um estado esquizofrénico...
Ontem vi a Alice de Tim Burton, e claro que foi absolutamente fantástico: as cores, o grafismo, a loucura das personagens...O mundo de Tim no seu melhor. Continua a não desiludir.
E não foi dificil chegar à conclusão de onde terá vindo toda aquela imaginação de Carroll ao criar este mundo paralelo. Na altura que o livro foi escrito estavasse na época vitoriana, uma época conservadora, regida por regras rígidas, onde se esperava que pessoas com um certo estatuto desempenhassem um certo papel na sociedade, não podendo escapar ao seu destino (e Carroll seria certamente um destes casos, uma vez que era professor de Matemática em Oxford), não podendo escapar à crítica e aos olhares severos da sociedade.
Alice nada mais é do que uma fuga a este destino traçado, uma fuga à realidade, a capacidade de questionar, pôr a ordem instituída em causa.
Todos nós gostamos de fugir às garras da realidade que nos rodeia...Alice é a nossa heroína.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Fantas

E hoje perdi a virgindade...
Não no sentido em que as mentes preservas estão a pensar, mas neste: após 16 anos a morar no Porto, fui finalmente ao Fantas...É uma vergonha dizer isto, mas é verdade. Fico sempre reticente em ver filmes dos quais nada sei, de realizadores que não acompanho e actores desconhecidos do grande público. Mas este ano foi diferente. Fui ver Ward nº6, filme russo nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, em que a história me despertou a curiosidade, e fui literalmente "arrastada" por uma excelente companhia.
Este filme, filmado como se um documentário se tratasse, surpreendeu-me. Foi um daqueles filmes em que se tem de ir mais para além dos diálogos apresentados na tela...
Fala-se da imortalidade, sendo esta uma invenção do génio humano, incapaz de lidar com o facto de desaparecer da terra sem deixar rasto. Sendo esta uma invenção do nosso egocentrismo.
Fala-se da loucura - afinal o que é ser são? É ter um trabalho das 9 às 17h30 (quem o tiver), cheio de rotinas, submetermo-nos à moralidade hipócrita da nossa sociedade, às suas regras e ditames, ou serão esses indivíduos institucionalizados, esses, verdadeiramente livres da imposição de regras estúpidas, obedecendo a nada mais que ao seu instinto?
Gostaria um dia de ser louca e ser livre...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Escolhas

Quanta vezes não nos deparados com caminhos diversos? E agora? Escolho o caminho da esquerda ou da direita, qual será o melhor, quais as implicações?
Muitas vezes é um tiro no escuro...ficam depois as consequências e pensar "o que teria acontecido se tivesse escolhido o outro caminho"?
Muitas vezes ouço "tivesse agora (...) anos e se soubesse o que sei hoje...". E daí? Será que mudariam realmente algo?
Poucos arrependimentos tenho...claro que às vezes penso o que teria acontecido se tivesse escolhido outras vias, mas se o tivesse feito, não estava onde estou, nem seria quem sou...
As escolhas que fazemos também nos definem...

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Kids

No outro dia fui forçada a utilizar transportes públicos, nomeadamente o autocarro, em hora em que os miúdos do Secundário regressam a casa.
Foi um tristeza ver e ouvir aquelas cabeças ocas...passam o tempo todo de volta do telemóvel, a enviar sms ou a ouvir música de qualidade duvidosa, que não se inibem de partilhar com os restantes passageiros.
Quanto às conversas...um vazio monumental.

Será que este meu discurso é da idade ou realmente nóes éramos 1 pouco diferentes?

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

O Sexo Forte...

Todos os dias a RFM, nas vozes de Zé Coimbra e Carla Rocha, faz-me companhia na minha deslocação até ao local de trabalho. Apanho sempre a rubrica "O Sexo Forte" e dou por mim a rir sozinha ou a reclamar em voz alta quando as mulheres não sabem alguma resposta...
Apesar de ser uma rubrica divertida, não deixa de ser curioso, como se catalogam os interesses que interessam aos 2 sexos...Assim, os interesses dos homens são carros, vinho, futebol, charutos e ferramentas, e os das mulheres costura, revistas, moda, bebés....
Um pouco redutor e não deixa de ser um estereótipo, mas não deixa de ter piada...

sábado, 23 de janeiro de 2010

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Conta-me histórias...


Ouço a tua voz, pausada,
A sussurrar-me palavras veladas,
Percorrendo o meu corpo,
Viajando por cantos escondidos,
E fazendo-me ir até paragens distantes...
Voo com as tuas histórias,
Sou donzela, pirata, bruxa, fada,
Inocente, malvada, tímida, puta...

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Love for All



"Think again", é o que este vídeo nos diz...

Hoje a nossa sociedade, conservadora, hipócrita e de moral de telhados de vidro, levou uma bofetada de luva branca...
Espero que a mentalidade tuga, depois disto fique um pouco mais aberta. Afinal, não custa sonhar...

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

O Enigma de Mona Lisa...

Isto não há condições...Agora até a Mona Lisa com o seu sorriso enigmático, pelos vistos sofria de colesterol e de outro tipo de doenças. E tudo isto descoberto por um patologista que se dedica ao estudo de doenças em obras de arte. Será que ele não tem mais nada que fazer?
Deixem-nos sonhar com o que estará a Mona Lisa a esconder...
Um amante?
Um segredo de alcofa?
Uma invenção secreta partilhada com Leonardo?
A história do Mundo?

Agora, gorduras?? Adeus misticismo...

My paradise