Avançar para o conteúdo principal

Pena

Ontem foi dia de passeata. Destino: aldeia da Pena. Para quem não conhece trata-se duma aldeia com apenas 8 habitantes, perto de S.Pedro do Sul, encravada num vale. Uma aldeia onde se respira paz e tranquilidade. Recomenda-se o único restaurante na aldeia, que também vende algum artesanato, e tem pagamento por multibanco. Também se recomenda as vistas fabulosas da serra em volta.



Comentários

  1. é com certeza uma boa sugestão de passeio num fim-de-semana próximo. bom restinho deste, e boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Passear cá dentro! Sem dúvida uma óptima sugestão, que desde já agradeço e que vou tomar a devida nota ;)

    Boa semana.

    ResponderEliminar
  3. Também aindei por lá há 3 anos, mas era inverno e não tive coragem de descer a estrada com gelo...
    Tive de me contentar com a vista cá de cima, que a tua foto tão bem documenta!

    ResponderEliminar
  4. e eu gosto de serra quase tanto como de mar.
    quando dum lado tenho uma e do outro a outra é sublime

    ResponderEliminar
  5. Continuo com o mesmo problema.
    Sempre que abro a caixa dos comentários, o blog encrava.
    Até vim fazer o comentário ao computador da m/mulher ... penso que não é aselhice minha, mas é intrigante.

    Estive lá há cerca de 2 anos.
    Havia mais cabras que habitantes e sentíamo-nos pequenos com as serranias ...

    Temos belos locais que estão por aí, mas ninguém os promove.

    ResponderEliminar
  6. Desculpa o comentário (que já estive mais que uma vez para o fazer), mas confirmo que abrir o teu blog nem sempre é fácil...não encrava mas é preciso "um pouco de paciência". Dá uma vista de olhos aos códigos...ou será do teu player, que geralmente "carregam" muito os blogues.
    Tudo de bom. Excelente fim-de-semana ;)

    ResponderEliminar
  7. Ola
    deixei-te um desafio no meu blog. espero ke aceites
    um beijo e bom domingo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...