Avançar para o conteúdo principal

Mais uma volta, mais uma viagem

Estive uma semanita de férias, a tempo de apanhar as festas da cidade. Engraçado como é que de Norte a Sul do país, seja qual for a terreola, o ambiente das festas é sempre igual, até as pessoas que as frequentam parecem iguais. Lá estavam as luzes, apenas meia dúzia, para o povo não poder dizer que o dinheiro público está a ser mal empregue, se bem que nesta história das festas, seja apropriado o comentário de Maria Antonieta: "atirem-lhes bolos". O povão distrai-se com qualquer coisa. Adiante...
Lá estavam as bancas dos ciganos, com os seus altifalantes e um rancho de filhos atrás, que isto à dúzia é mais barato, seja os filhos seja os trapos que vendem; lá estavam as bancas dos indianos, com as suas túnicas e bugigangas coloridas; lá estava o camião das maravilhas: "por 30 € leva 2 cobertores e 2 jogos de banho, e só por mais 5 € leva ainda estes lençóis e uma dúzia de panos de cozinha", camião este que já se encontra em vias de extinção. É que é preciso arte para a coisa, não basta estar ali de corpo presente. Depois lá vêm os inevitáveis comes, bebes e sobremesas: a bifana, o franguito - tudo assado num recinto de terra batida, deve ser para dar mais condimento - a cerveja, as farturas embebidas em óleo, as pipocas, o algodão doce. Depois se for uma terra sem grandes atrativos, como era o caso desta, ainda temos várias representações dos diferentes estaminés da cidade, tudo para gerar o sentimento de que vale a pena lá viver, e que a terra nem é tão atrasada como isso.
Depois é claro que temos os carrosséis, iguais em todo o lado, cada um com a sua música, com as meninas mais impressionáveis a berrarem, e os rapazes com uma cara que diz "isto não foi nada...", e o pregão mais que gasto "quero ver esses bracinhos no ar", incentivo que eu já ouço desde que era catraia.
Isto das feiras fez-me pensar 2 coisas, completamente antagónicas: 1º) Que isto de ser feirante, com a casa às costas, a arrumar e desarrumar bancadas todos os dias, e noites mal dormidas, é uma vida de cão. A 2º coisa é que tendo em conta o espaço que os carrosséis ocupam, tendo em conta o balúrdio que se costuma pedir por cada pedaço de metro quadrado ocupado, e tendo em conta que cada vez à menos pessoas a irem para os carrosséis (ainda me lembro que se faziam filas para alguns divertimentos, era uma correria qaundo se via um lugar vago), estando alguns praticamente às moscas, como é que os feirantes têm dinheiro para pagar o espaço ocupado, a luz que se gasta (e deve ser uma conta astronómica) e ainda para sobreviverem o resto do ano? Uma boa pergunta não é? E com isto na cabeça, virei as costas à festa, deixando o seu barulho cada vez mais para trás, ouvindo ainda à distância, uma mulher anunciar ao altifalante: "Mais uma volta, mais uma viagem"...

Comentários

  1. A mim as feiras, os carrosseis, os carrinhos de choque provocam-me uma estranha melancolia. E nem me ponho a fazer essas contas! :)**

    ResponderEliminar
  2. São iguais? Não me parece.

    ResponderEliminar
  3. As praias são em Porto côvo.
    Se não conheces, aconcelho que quando tiveres oportunidade vás dar uma vista de olhos....São lindas,lindas!!! Cada uma mais linda que a outra...

    Conhecias o ano passado e já não tive coragem de ir para outro local, este ano repeti e penso continuar a faze-lo.

    ResponderEliminar
  4. Olha puseste-me a pensar... de facto como é que essa genete sobrevive?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...