Avançar para o conteúdo principal

O estado da Cultura

A cultura já há algum tempo que está rendida ao tachismo: no Porto e Lisboa existe uma agenda cultural, no entanto há muitos eventos que lá não figuram, e quando se lembram de pôr algum cartaz, é sempre à ultima da hora. Ou seja já não há bilhetes.
Já para falar daqueles espectáculos que dizem que estão esgotados, mas depois há dezenas de cadeiras vazias. Ou seja, seria para os amiguinhos e para os compadres.
E há também aquela velha guerrinha Porto/Lisboa: os melhores eventos vão todos para Lisboa e estão em cartaz 1/2 semanas, no Porto apenas 1/2 dias. O povinho lá diz "é sempre a mesma coisa, vai sempre tudo para Lisboa", mas a verdade é a culpa é de quem está a dirigir as casas de espectáculos, e no Porto, por razões que desconheço, quem está à frente das casas de espectáculos, opta por ficar com os restos e ainda por cima por poucos dias.
E este discurso todo devido à polémica com o Rivoli. Concorde-se ao não com a sua ocupação, é curioso ver que as pessoas que há uns anos atrás aplaudiram o Pedro Abrunhosa, quando este se acorrentou ao Coliseu, se calhar são as mesmas que agora chamam aos ocupantes do Rivoli "cambada de chupistas" ou "susidio-dependentes".
Pena é que o Pedrito já não precise dos holofotes dos media e de conquistar notoriedade...
Em vez de se estar a discutir quem tem ou não razão, deveria-se fazer um sério debate sobre a Cultura. Deveria servir para algo mais do que alguém aquecer a cadeira de ministro. ´

Comentários

  1. È isso mesmo.
    Estou inteiramente de acordo com a ocupação.
    Temos de começar por algum lado, este estado de puro mercantilismo em que estão a pôr todo o país, tem de ter um travão. È necessário, que as vozes da ribalta comecem a falar, é tempo de começarmos a dizer não a todos estes vómitos politicos.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. voltou a guerra Lisboa e Porto... olha em Leiria é que não há mesmo nada... eu é que me devia queixar...

    ResponderEliminar
  3. É aí que eu quero chegar. Não é uma questão de antigas guerras; isso é o que os que estão no poder gostam de veicular. A questão é que há falta de vontade política de apostar na cultura. Se o Presidente da Câmara de Leiria quissesse, poderiam ter um cartaz cultural diversificado.

    ResponderEliminar
  4. Também vou focar a velha guerra Porto/Lisboa. É bem certo que deviam existir mais eventos em outras cidades mas visto que focas-te estas duas irei dar a minha opinião.
    Eu como amante de Música adoro assistir a concertos e infelizmente nem sempre é possível... primeiro porque são praticamente todos em Lisboa e depois pq se torna um tanto quanto dispendioso. O Porto sempre ficava mais perto mas como Lisboa é a capital... enfim...
    Muitas vezes o bilhete de comboio e as refeições ficam mais caras q o bilhete do concerto em si. E por isso mesmo acabo por perder espectaculos que adoraria ver.

    Vivemos num país em que se dá pouca importância à cultura.
    Aqui em Coimbra ainda se salva o Teatro Gil Vicente e umas quantas galerias. Podia existir muito mais se o Sr Presidente não insistisse em fazer rotundas e estradas desnecessárias e estúpidas.

    Um beijo Mac e um óptimo resto de fim de semana. :)

    ResponderEliminar
  5. Não vou gastar muito portugues... Apenas SUBSCREVER na integra o teu post!!!!
    E não adianta estar a protelar muito!!!
    Puseste completamente o dedo na ferida!!!!!
    Já por várias vezes - Nota : VARIAS VEZES - tentei arranjar bilhetes para espectaculos aí no porto e quando a qualidade é muita.... os bilhetes nem chegam a ir para as bilheteiras!!!
    Aliado os "amiguinhos" que "doam" bilhetes para pagar favores ou "cravar favores" ao curtissimo tempo de permanencia do espectaculo...por vezes mais valia nem anuncia-lo!!!

    mil beijos

    paulo

    ResponderEliminar
  6. Hummm...

    Estás de férias?

    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. eu sou de Lisboa e fico feliz por ouvir a voz de quem paga o mesmo que eu para viver neste pais e recebe muito menos por morar longe da capitalnão querendo menospresar as artes, longe disso, feliz de nós se fosse essa a unica carencia de Portugal, infelizmente aida há muito por que gritar.
    beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...