Avançar para o conteúdo principal

Vindimas


O camião com os trabalhadores chegava por volta das 7h00. No chão já estavam dispostos os cestos, e procuravam-se agora as tesouras e as sogras (pedaço de tecido que as mulheres põem à cabeça na altura de irem despejar o cesto). Começam então a dirigirem-se aos pares para as fileiras de uvas que os aguardam, debaixo de parras que começam a pintar-se de laranja. O sol esconde-se por detrás do monte, e o ar cheira a vindimas.
Mãos então ao trabalho! Só se ouve o barulho, quase sincronizado das tesouras, e a jornada até às tinas para despejar o cesto, depressa começa. O caseiro também começa a sua ronda por entre as várias fileiras, para ver se foram deixados cachos de uva para trás, resmungando, como todos os anos faz, que o melhor seria contratar uma galinha para comer todos aqueles bagos desperdiçados, arrancando gargalhadas aos trabalhadores, já habituados aos seus ditos.
Vem a hora do mata bicho(lanche da manhã). Na fogueira assam-se chouriços ou farinheiras, o seu cheiro invade o ar, abrindo o apetite.
Vamos trabalhar mais um bocado! Agora é um instante até ao almoço...Alguns cantos e anedotas invadem o ar, que com a barriguinha aconchegada trabalha-se melhor. Vem o almoço, já com a habitual fogueira, assando-se então umas febras ou entrecosto, sempre acompanhado do suco divino fabricado por Baco. Vêm então as brincadeiras, as conversas ou uma soneca, até serem de novo horas para trabalhar.
Durante a tarde as horas voaram; esta vindima está a correr muito bem, se calhar amanhã pudemos ir para outro terreno, o patrão vai ficar contente.
Já se faz contas de cabeça ao dinheiro daquele dia, no dia da adiafa (fim da vindima) vai saber bem receber um bom dinheirito para compor as finanças.
No fim do dia de trabalho, o pessoal sobe mais uma vez para o camião. Lá vamos de regresso a casa. Amanhã há mais.

PS: Isto retrata uma vindima na Estremadura


Comentários

  1. Ai a vindima! Pessoalmente não gosto nada de ir vindimar, é cansativo e não morro de amores pela bicharada que se passeia pelas vinhas (bixas-cadela, saltões, gafanhotos, zangões, aranhas e uma ou outra cobra pequenita, pelo menos na vinha do meu avô tem lá disto!. É uma trabalheira! Vá lá que já ninguém me obriga a ir vindimar... Só gostava da vindima quando era pequena porque só ia memso para a brincadeira com os meus primos! Isso é que eram boas vindimas!

    ResponderEliminar
  2. estou tão farta da confusão da cidade que qualquer viagem ao campo é uma delicia para mim.
    No meu caso, não tenho recordações da apanha da uva, mas da azeitona no Alentejo, lembro-me de me sentir muito aborrecida, e de detestar ir com os meus avós, no entanto hoje dava tudo para estar à sombra de um sobreiro a sentir o cheiro das flores daquele monte alentejano.

    ResponderEliminar
  3. Com que então à sombra do chaparro, hein? :-))

    ResponderEliminar
  4. ai é? e como fazes com esse pessoal? ensina mew.. bah... ja lido melhor com isso, mas é uma piada nao terem "tempo" nao têm é vontae, mas sejam sinceros!!!

    ResponderEliminar
  5. senhoradasaguas20:58

    Olá, Mac, venho por este meio dar te a conhecer o meu novo espaço cultural, em estado ainda experimental :)), espero que gostes e que inclusive, possas dar sugestoes e colaborar com algum artigo, critica, etc. Ate breve, abraço.

    ResponderEliminar
  6. senhoradasaguas20:59

    ...

    ResponderEliminar
  7. Tb já vindimei, mas n gosto... gst mais de comer as uvas... bj

    ResponderEliminar
  8. esqueci-me de dizer que adorei a musica, não podia passar por aqui sem fazer este reparo, mais uma vez um beijo!

    ResponderEliminar
  9. Já participei uma vez numa vindima. E adorei o espirito, o companheirismo, e a partilha dos valores ligados à terra, algo que vai faltando no dia-a-dia da grande urbe. Um abraço e uma boa semana ;)

    ResponderEliminar
  10. Assisti a bastantes no meu tempo de criança. Era um festa! Para nós claro que não trabalhávamos nada... :)**

    ResponderEliminar
  11. Sim, eu também já andei nas vindimas... curioso, como é tudo tão igual...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...