Avançar para o conteúdo principal

Vidas paralelas


Photographed by Mac

Quantos pensamentos não estarão nesse momento a serem formados no outro lado?
Quantos olhares da outra banda, não estarão focados nesta margem onde me encontro?
Quantos diálogos não estarão a serem proferidos?
Quantas vidas paralelas não existirão à minha?


Comentários

  1. Imagina uma grande rede de caminhos de ferro, com multiplas vias para multiplas direções, muitas dessas linhas correm paralelas e no mesmo sentido, outras precorrem novos sentidos em outras direcções, mas no entanto essas linhas todas têem agulhetas que as fazem mudar de direcção, cruzarem-se com mestria sem chocarem...imagina-nos como os comboios dessas linhas,cabe a nós a escolha do caminho, a direcção a tomar e cabe a nós a escolha do momento em nos cruzamos com outros e nos abrigamos numa mesma estaçao....
    será que disse muita bobagem:)?
    abraço
    p.s.adorei a foto

    ResponderEliminar
  2. as linhas paralelas nunca se cruzam, por isso gostei mais da ideia das linhas dos caminhos-de-ferro!!!


    bom dia!

    ResponderEliminar
  3. Mac essa é a incrível idéia de que somos um pequeno grão de areia...veja só eu a cá estou no Brasil e há muitas pessoas preocupadas com mtas coisas...e quantos pensamentos voando no ar?Quantos amores?Palavras proferidas?Ah..se pararmos pra pensar,nossa vida é apenas brisa no meio do ar.Beijuuss

    ResponderEliminar
  4. Será que alguém "do lado de lá", estará como eu a precisar de dormir?

    Eu vou...

    ;)

    ResponderEliminar
  5. Ou como fazer sair a fala do interior das coisas.

    Abraço, menina pensadora.

    ResponderEliminar
  6. As vezes nem é preciso olhar para tão longe para se ter essa sensação...
    A foto retrata bem esse teu momento de...introspecção:)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...