Avançar para o conteúdo principal

Linhas


Tento desenhar a minha vida com régua e esquadro, mas de repente todas as linhas, rectas, ângulos, paralelas e perpendiculares cruzam-se deixando uma confusão de traços no esboço.
Vou optar pelo desenho livre...


Comentários

  1. Ei pela data até parece que fostes tu a tirar a foto. Hihihihi.
    Realmente quanto mais a gente desenha os traços que pretendemos para o nosso destino, parece que o mesmo se altera ainda mais rapido. Quando dermos conta, já o nosso desenho está cheio de sarrabiscos e nem a borracha os apaga.

    ResponderEliminar
  2. acho q fzs tu mt bem, qd mais se tenta delinear as coisas, pior é... bj

    ResponderEliminar
  3. Não que seja melhor, mas por vezes é necessário.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Ois Mac:)
    Uma vez, há miliões de anos, quando tive aulas de pintura, os primeiros esboços que fiz foi de colheres.
    Ainda hoje, quando estou contemplativo desenho colheres lol.
    Enfim, doido de todo, por isso sem qualquer valoração possivel, concordo com a tua opção, até porque arejar formas é uma relíquia ao alcance de poucos.
    Bai nessa, tou ctg:)

    ResponderEliminar
  5. A vida raramente obedece à regra e ao esquadro. Por vezes parece mesmo um borrão, nem as linhas se conseguem entrever... **

    ResponderEliminar
  6. Uma mistura do Surrealismo DAli com o Cubismo de Picasso... Muito bom mesmo!

    Tás de Parabéns

    ResponderEliminar
  7. Hum...sinceramente não acho facil contrariar a nossa vocação...acho que será agradavel num primeiro impacto mas com o tempo a tendência é endoidecer-te:)). Imagino-me em situação semelhante porque várias vezes contario a anarquia dos meus "desenhos"...

    ResponderEliminar
  8. Um arbusto aguenta melhor o temporal! Régua e esquadro só na tela.

    ResponderEliminar
  9. e que tal não desenhar, ponto final parágrafo? :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...