Avançar para o conteúdo principal

Romance



Romance no "Palavra Puxa Palavra"
"Romance is dead...
alguém disse.

Será que nesta nossa sociedade que anda à velocidade da luz,
ainda há tempo para namorar?
Para oferecer flores, dar andar de mão dada, para fazer chamegos?
Olhando para estes dois pombinhos a arrularem,
penso que ainda existe esperança para o romance

Comentários

  1. Então não há? E os amantes que param e se beijam no meio da rua? Há sempre esperança para o romance. **

    ResponderEliminar
  2. Claro que existe!!! Tinhas dúvidas?! :)

    ResponderEliminar
  3. O amor é quando um homem quiser. Uma prenda/surpresa de quando em vez, vale muito bem a pena. E mais não digo.
    Quanto à musica, lembra-me aquelas musicas techno, ou melhor electrónicas do inicio dos 90's. Aiiiiiiiiiiiii que saudades.

    ResponderEliminar
  4. A esperança querida amiga.... Será sempre a ultima a partir....
    Olha para nós os blogers... Não seremos uns romanticos?????
    Um beijo doce para ti...
    Quebrei por instantes o silencio.....

    ResponderEliminar
  5. É necessário manter a "chama" acesa;)
    A vida sem romance é como uma enorme Praça cinzenta sem uma única árvore :)))))

    ResponderEliminar
  6. o romance está vivo e bem vivo, a maioria das pessoas não está é para ter trabalho e prefere momentos fugazes.. mas qd s ama mm.. :) bj

    ResponderEliminar
  7. ola mac
    nesta sociedade a velocidade da luz onde nao ha tempo para nada, o tempo que se arranja é para namorar. sem namorar nao se sobreviveria.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Claro que o romance vive, mas há 1 tempo atrás, existia 1 canção que dizia "cartas de amor, quem as não tem?". E hoje em dia, quem as tem?

    ResponderEliminar
  9. pedro alex18:45

    Ois Mac:)
    Mesmo em "speed limit" há tempo de sobra para namorar e romancear. Há, sim senhora lol, muitas gentes modernas e acinzentadas que abdicam desse tempo para outras prioridades. Depois de as conhecer, porque as há às duzias, noto-lhes sempre uma bezerrice enorme e uma frustração que envergonha. É gente que se nota bem, que até tem alguma graça durante o tempo que lhe dou.
    Ora concordando, ora discordando, gosto sempre da pertinência das tuas questões.

    ResponderEliminar
  10. Hoje em dia a canção de que falas teria a seguinte letra "SMS de amor, quem as não tem?". Novos tempos, novos hábitos! O Romance de hoje nunca será igual ao romance medieval ou ao romance do Sinatra mas hoje em dia ainda temos Romance... mas diferente! Os tempos mudam, nós mudamos e o Romance, que depende de nós, muda também!

    PS: Adorei a foto, beijos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...