Avançar para o conteúdo principal

Ferrugem




Ferrugem, no "Palavra Puxa Palavra"


Por vezes fechamos o nosso coração a 7 chaves com medo de nos magoar...

Será que ele tiver demasiado tempo fechado, criará ferrugem?


Comentários

  1. :) E será que vale a pena ficar a pensar no se...?
    Porque não enfrentar o medo de nos magoarmos e arriscar?! ;)
    Bjs e um bom dia!! =)

    ResponderEliminar
  2. não será propriamente ferrugem, talvez o medo em arriscar, como aqui já foi dito.

    mas a metáfora - ou outra figura gramatical qualquer - está boa!

    ResponderEliminar
  3. Ferrugem não sei...triste sim.

    ResponderEliminar
  4. Eu apostava mais no cérebro :p
    É sempre fácil dizer para arriscar mas a verdade é que é uma resposta humana natural não nos aproximarmos de alguém com medo que nos magoe (seja emocionalmente seja fisicamente).

    ResponderEliminar
  5. Tinha prometido a mim mesmo, que o proximo escrito que publicasse te seria oferecido!
    Doi-me a alma de te não poder ofertar algo mais doce... Mas foi o que saíu...
    Querida Mac, agradeço-te a transparencia, a sinceridade e o carinho que ao longo deste tempo me tens dado!
    Por isso o presente do escrito!
    Isto da blogosfera é algo de extraordinário!
    Surpreendente!
    Quanto ao post ( o meu, sossega já falo do teu......) foi isso mesmo! ès das poucas que me conseguem ler e entender!
    E foi isso mesmo...um post!
    Não fui eu que disse adeus!!!
    Agora ... pois... e responder á brilhante pergunta que fazes...
    Penso que só cria ferrugem um coração de ferro...
    Não te preocupes...o teu não irá enferrujar...é feito de materiais preciosos....

    Um beijo

    Paulo

    ResponderEliminar
  6. Ois Mac:)
    Ferrugem não sei se criaria, mas de certeza que dum bafio bolorento tresandando a mofo não se livrava.

    ResponderEliminar
  7. Não criará ferrugem, mas será um tempo perdido. o coração é para amar e sofrer. vale a pena.

    ResponderEliminar
  8. imagem bonita de mais para as palavras

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...