Avançar para o conteúdo principal

Is there anybody out there?


Este vídeo tem andado a correr o mundo. Mais que a violência empregue, a mim choca-me mais a impavidez daquele jovem que se vê em 1ºplano...Manteve-se imávido e sereno durante todo o episódio, não fazendo o minimo esforço para ajudar a miuda.

Vivemos em grandes cidades, rodeados de pessoas, mas estamos cada vez mais sós e inseguros.

Comentários

  1. É realmente chocante...as vezes temo ser confrontada com uma situação idêntica, a duvida da minha reacção é algo que me preocupa!
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Sabes que pensei exactamente o mesmo quando vi o video? Como é que aquele fulano está ali como se nada estivesse a acontecer? Estrnho , estranho mundo este em que vivemos. **

    ResponderEliminar
  3. Sabes que pensei exactamente o mesmo quando vi o video? Como é que aquele fulano está ali como se nada estivesse a acontecer? Estrnho , estranho mundo este em que vivemos. **

    ResponderEliminar
  4. Acho que fizemos todos o mesmo comentário. Isto está pior que uma selva...sem rei nem lei.

    ResponderEliminar
  5. Assustou-me a violência, gratuita. E ainda a chocante absolvição do olhar do espectador. Não sei o que faria, com este medo que deixamos alastrar como uma nódoa na Humanidade. Abç

    ResponderEliminar
  6. Bom titulo. Pink Floyd.
    Numa palavra eu descreveria esse video como irreal.

    ResponderEliminar
  7. pet alex18:54

    Que cena caótica. Já me aconteceu e meti-me. Resultado final, porrada da meia-noite, polícia e 31's.
    Não gostei, até porque naquelas situações a advertência verbal não funciona, e a polícia, 3 horas depois aparece.

    ResponderEliminar
  8. Oh pá, penso que já falamos sobre isto,mas se fosse cá no porto o gajo não saía vivo do metro. Mas há pessoas e pessoas. Agora pergunto eu: se fosse à nossa frente e tivéssemos sozinhos como o "impávido" estava será que nos ponhamos na frente de combate? É que depois seríamos nós o alvo. Oh pá num seie, nunca me aconteceu

    ResponderEliminar
  9. Tendo sido eu já alvo de assalto e violência posso dizer que a situação nunca é fácil para quem olha. Mesmo o que para alguns pode ser "impavidez" posso garantir que ele deveria estar a tremer que nem um doido a pensar que seria o próximo ou então a rezar para não ser o próximo.
    Acho que é como o Sérgio diz,"será que nos ponhamos na frente de combate? É que depois seríamos nós o alvo."
    Mas são os "impávidos" que um dia dá-lhes o click e matam o gajo à pancada! Bem, é esperar que nunca aconteça a nós...

    ResponderEliminar
  10. Ao menos a polícia que o tivesse chamado para testemunhar....no meu caso não sei o ke faria, se estivesse sozinha era capaz de me levantar e dizer alguma coisa , mas se estivesse acompanhada com os meus sobrinhos ou com a minha mãe...mt provavelmente ficaria calada. é um dilema do caraças e no momento em ke as coisas acontecem a resposta pode ser qq uma.

    aqui há tempos tive umas aulas de defesa pessoal , agora de repente lembrei-me ke seria bom continuar com elas.

    beijo

    ResponderEliminar
  11. Cena completamente surreal... Será que ele foi chamado à polícia??? Deveria ter sido!
    Estupidez!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...