Avançar para o conteúdo principal

Outono
A natureza veste-se de cores quentes,
As folhas multiplicam-se pelo chão...
Tempo de uvas,
Castanhas quentinhas e ouriços,
Tempo de estar junto a uma praia entregue às gaivotas e ao mar revolto
A beber uma chávena de chá bem quente, e a ouvir bom jazz.

Comentários

  1. Se trocares o chá por chocolate quente então tens aqui um fã dessa descrição! ;)

    ResponderEliminar
  2. hum... tao bom... apetece e mt. bj

    ResponderEliminar
  3. é isso mesmo mac,:)
    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Perfeito!!!!!
    E o silencio agora é de contemplação!


    Um beijo

    Paulo

    ResponderEliminar
  5. Eu ainda quero distância do chá! Esta semaninha o tempo esta ameno e com um pouco de sorte a temperatura ainda sobe um pouco para ser minha cumplice numa escapadela que quero muito dar:)

    ResponderEliminar
  6. A natureza é tudo isso, bonito, muito bonito. Saber viver é apreciar as coisas bonitas de cada estação do ano e saber aproveitar os momentos que encontramos no dia a dia.

    ResponderEliminar
  7. Outono? Tu desculpa lá mas tem feito um calor de verão que me dá cabo do juizo

    ResponderEliminar
  8. sabes que em "a cidade e as serras" de eça de queirós há um pequeno parágrafo em que sentimos passar uma série de anos com as folhas a crescerem e as folhas a cairem?
    e agora com o teu pequeno poema senti mais um outono a instalar-se.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. E então as cervejas belgas, que vi por aí à venda ... ?
    Não são uma contemplação?
    Ou serão constatação, (o galicismo perdoa-se, pois já está enraizado), da continuação dum Verão mais ameno, cujas folhas vão cair mais tarde?
    Gosto das nossas e de algumas alemãs e ver ou ouvir o mar, na R. de S. Bartolomeu, onde as rochas e a areia, formam o Ourigo, para lá dos prédios.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...