Avançar para o conteúdo principal


Quem tiver paciência de ler o Diário da República, descobre preciosidades como esta, publicada em 12 de Novembro.
Refere-se ao Orçamento da Assembleia da República, e na parte referente à despesa, podemos ler os seguintes valores:

Despesas de Representação ....................... 1.062.015€
Ajudas de Custo (Deputados) ..................... 3.297.600€
Transportes (Deputados) ............................ 3.160.000€
Deslocações e estadas .................................. 3.458.010€

É por estas e por outras que acho imensa piada quando se fala na Função Pública e dos cortes que se têm feito.
É que o problema não é o funcionário de baixa/média categoria, e é este que anda a ser castigado de há uns anos a esta parte, e a perder poder de compra de ano para ano. Arranjou-se um bode expiatório, um monstro que tinha de ser combatido, e apelou-se a uma pseudo justiça social e a ética que não existe, tentando criar uma guerra entre trabalhadores públicos e privados.
O problema são estes senhores, mas enquanto o barro colar à parede, à que continuar a enganar...

Comentários

  1. é mais um dos "peixes que nos andam a vender" esse, e o exemplo que devia vir de cima, não vem, como aqui se vê.

    ResponderEliminar
  2. Aconselhava-se que em vez da publicação em diário da republica, estes números fossem publicados numa revista mais especializada, por exemplo a playboy, dada a pornografia deles.

    ResponderEliminar
  3. Apertar o cinto, sim, desde que não seja o deles!!...
    Isso é sabido...

    ResponderEliminar
  4. Finalmente, alguém que, como eu, acho que essa é uma leitura recomendável. E recomendada. Aprende-se lá muito. Aprende-se, aprende-se...

    ResponderEliminar
  5. Sergio13:45

    Já falamos sobre isso das despesas dos deputados ou melhor pseudo-deputados. Isto devia ser e até aplaudia se algum dia eles começassem à porrada como no Japão ou num desses países que quando eles estão chateados pimba, aqui vai morangos, isso sim era bom.Quanto ao resto, o país está de tanga sim, mas é devido a esses pseudos drs. e eng. só de canudo, pois de experiência de trabalho nenhuma ou quase nenhuma eles têm, que isto está assim.

    ResponderEliminar
  6. Paciencia e tempo...que aquilo "rouba" tempo para caraças:)
    Hoje é um dia que não posso nem ouvir falar nos ditos cortes, fui vitima deles num hospital ontem e confesso que ainda estou meia abananada!
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  7. pedro alex20:11

    Uma média de 49000 euros por "cabeça", fora o resto...
    Seria bom medir a produtividade de alguns, seria sim

    ResponderEliminar
  8. Mas qual é a tua vir para aqui descobrir a careca dos senhores????!! aiii!!! Isso não era para contar pah!!!!

    ResponderEliminar
  9. Daí a minha insistência na crença de que deveriam ser gestores/economistas/contabilistas whatever a mandar neste país. acabava-se logo com a brincadeira. enqt o poder estiver na mão de políticos é o ke dá. nisso...alguns estados americanos dão o exemplo e a coisa funciona já ke têem ke prestar contas. De facto.

    ResponderEliminar
  10. Bom dia... vim espreitar...

    ResponderEliminar
  11. Agora já sei porque raio eles raramente estão na assembleia... andam a passear e a gastar o nosso dinheiro!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  12. Eu, até estou bem disposto...num final de tarde de sábado a ler uns blogs...não, não vou ler isto outra vez.


    :(:(

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...