Avançar para o conteúdo principal

Elogio à mediocridade

Ontem a Selecção Nacional qualificou-se para o Euro 2008...
Do pouco que vi do jogo, acho que foi um jogo um tanto ou quanto fraquito. Houve alguns brilharetes individuais, mas faltou jogo de equipa. Ainda bem que os finlandeses não conseguiram acertar com a nossa baliza...
Não obstante a mediocridade do jogo, no fim os jogadores abraçaram-se, Scolari vibrou, e o público aplaudiu. Afinal tínhamos acabado de nos qualificar, mas no entanto, o desempenho da Selacção Nacional continuou a ser mediocre...
Ontem aplaudiu-se e elogiou-se a mediocridade...
Tal e qual como o país mediocre que somos...

Comentários

  1. Os "mininos" Quaresma e Cristiano Ronaldo, bem podiam ter dado uma ajuda à selecção de Futsal, que necessitava de mais golos, para atingir o 1º lugar.
    Brincaram muito e não jogaram nada ...
    O único que deu o litro foi o Bosingwa.

    Mas como somos pequenos e pobres de espirito, um empatezito já não foi mau.
    CHEGOU!

    ResponderEliminar
  2. Olha, olha... amiga, cuidado... se o Scolari ou algum dos seus apaniguados lê isto...
    Mas tem razão, aquilo é bem capaz de ser o espelho do que somos enquanto nação.

    ResponderEliminar
  3. estive no estádio e não aplaudi; não podia.

    ResponderEliminar
  4. Aqui está, de uma forma resumida, o que eu penso do futebol e do que se passa na nossa sociedade em geral.

    BRAVO!!!!

    ResponderEliminar
  5. De facto seria de estranhar de uma país onde se 'cultiva' a mediocridade, a nossa selecção ter feito algo diferente.
    É pena, mas até no futebol já reflectimos a nossa essencia.

    ResponderEliminar
  6. Ai, se a selecção tivesse jogado muito bem e não tivesse passado (perdido) eu até gostava de ver o que diriam...
    Isso de acusarem o País ou a sociedade de medíocres é a mesma coisa que estarem a dizer que Nós (sim vocês também) somos medíocres. "Ah, eu não. Os outros é que são." - frase favorita das pessoas que criticam sem olharem para si próprias.
    Selecção não jogou grande coisa mas fez o que lhe competia meus senhores(as), o mesmo não se pode dizer de muita gente que anda aí.
    Se não gostam do País normalmente existem duas opções: Emigrar ou Lutar pela melhoria do País (trabalhando para isso).

    É só uma opinião de um gajo que não percebe nada disto.

    ResponderEliminar
  7. Hum...sei que fui posta á vontade para discordar contigo mas a minha relutãncia em perceber o teu discurso é tão grande que não ordeno os argumentos contra duma forma...racional:)
    Assim sendo digo só que não me revejo nadinha na tua opinião e que é bom não partilharmos todos as mesmas ideias, apesar de ser bom se calhar partilharmos todos os mesmos ideais!
    Fazia isto em miuda nos testes de filosofia, escrevia imenso de forma a baralhar a professora mas airosamente nunca dizia o que se pretendia, neste caso o q verdadeiramente penso desta...mediocridade toda:)

    Bom fim de semana!


    AH...Viva a Aelecção:))

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...