Avançar para o conteúdo principal

Parecenças











Não sei porquê , mas sempre que vejo o senhor da 1ªfoto, lembro-me sempre desta negra personagem do filme "Batman"...
Será pelo sorrisinho sarcástico, ou será por gostarem de viver nos esgotos?

Comentários

  1. O Vitorino nos esgotos?
    Só se for ironia ... que o homem gosta é da coisa boa da vida!

    ResponderEliminar
  2. Olha que por acaso tens toda a razão :-)

    ResponderEliminar
  3. igual!!!

    mas ouvi dizer q o inimigo do batman nao gostou da comparaçao.

    ResponderEliminar
  4. O sorriso é realmente semelhante, mas a parte dos esgotos não me parece. O Vitorino é loiça fina!

    ResponderEliminar
  5. Tenho que ver melhor o filme...porque essa dos esgotos...não me parece muito "Parecença" :):)

    ResponderEliminar
  6. E o que é a política senão um esgoto podre e mal cheiroso??

    ResponderEliminar
  7. A política como ele e outros como ele a faz, sem ética, é sem dúvida um esgoto nauseabundo.
    Mas há outras maneiras de se fazer política, isto é, de viver...
    Abraço, Bom Ano e até para o ano:))

    ResponderEliminar
  8. Olha que têm semelhanças, sim!!! :))
    Beijo. Apesar de tudo, Bom Natal, mac!

    ResponderEliminar
  9. Não vi, porque não gosto do género, o "Batman".
    Mas tenho visto ou melhor, "ouvisto" o Vitorino.

    O homem é um cérebro, mas muito inocente.

    Recebe como um rei, mas não descobre o que um aprendiz de feiticeiro do Botswana, faz com a mão esquerda.

    Mas alguém acredita que se pode descobrir o que fizeram banqueiros, administradores, gestores e outros estupores por esses paraísos fiscais, onde o dinheiro se multiplica como os cardumes de peixes que infestam os corais dessas ilhas?

    Será que alguém conhece um português melhor para aquele lugar?

    Diga-o e divulgue-o !!!

    Porque ir ganhar menos, haverá muitos e até podem reduzir-lhe o nº de notas no fim do mês, mas melhor, não haverá ...

    Como "chefe", é mole e se ao longo dos anos tudo escapou por entre os dedos dos antecessores, o "sistema" estava montado.

    Nós é que nunca conseguiremos que alguém com mais nome e posição bata com os ossos numa prisão, durante os largos anos que os seus crimes pedem ...

    Veja-se o caso do "ladrão" do Valentim Loureiro.
    Transformou a família, numa "família", foi só juntar um advogado e outro padrinho.

    Depois tem uma máquina que "intimida pela força física" qualquer um ...

    Cala-te!!!

    Talvez até já compare os dois, Vitorino Batman, ou Batman Vitorino.

    Uma boa semana!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...