Avançar para o conteúdo principal

Lonesome Cowboy


Hoje fui ao cinema...literalmente sozinha, pois além de ir sem companhia, a sessão a que eu prefiro ir (por volta das 18h00) raramente tem assistentes. Hoje estavam dois.
O que é curioso é que quando eu digo que vou ao cinema sozinha, toda a gente (ou quase toda) fica a olhar para mim como se eu fosse um extra-terrestre. Acham muito fora do normal alguém fazer algo sozinha, e ainda por cima por opção própria.

Toda a gente conhece aquelas frases engraçadas como "Conhece-te a ti próprio", ou "Se eu não gostar de mim, quem gostará", mas raras são as pessoas que usufruem e tiram prazer da sua própria companhia.

E eu não entendo em como há pessoas que só se sentem bem rodeadas de outras pessoas.

Comentários

  1. Eu adoro a minha companhia.
    Ainda hoje mantenho o "prazer" de todos os anos ir uma semana de férias completamente sózinho, não interessa a altura e o local, mas tenho que ir. A família já está habituada e...agradece :):)

    Curtir a nossa companhia é muito preferível que estares rodeada de muita gente e...estares (e sentires) sózinha.

    Quando falas em ir ao cinema sózinha, retorno no tempo e lembro-me, que a minha mãe foi talvez das primeiras mulheres a aparecer sózinha numa sala de cinema no Porto. Quando o filme acabava eu estava cá fora à espera dela ;)

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  2. Amiga, para não se sentires anormal: eu vou quase SEMPRE sozinha ao cinema, só eu e o filme:))

    ResponderEliminar
  3. Adoro a minha companhia, estar comigo mesma e só assim consigo estar bem quando estou rodeada de gente. O silêncio do meu cantinho é música para mim, embora adore partilhá-lo com "o meu mais que tudo". Faço férias sozinha, vou almoçar ou jantar sozinha se me apetecer. Se me dá vontade, vou passar o fim de semana na minha companhia, por isso...quem não entende as opções dos outros, se admiria ou critica...tem "vistas curtas" e ideias pré concebidas em relação aos outros.
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  4. também vou muitas vezes sozinha, what dha hell...

    engraçado como existem ainda estigmas em relação a certos comportamentos.

    estar sozinho é diferente de ser solitário.

    beijos

    ResponderEliminar
  5. ah, e por vezes vejo outras mulheres e outros homens igualmente sozinhos, e se calhar são vocês lol

    (claro amiguita tu não, senão sentava-me ao teu lado, é ke é bom estar sozinho mas é igualmente bom estar com uma grd amiga )

    ResponderEliminar
  6. Terás percebido, já vejo, como a companhia de de nós e a sós, é importante.
    Ouvirmo-nos!
    Bjinho

    ResponderEliminar
  7. Gosto tanto da minha companhia que às vezes até tenho que me afastar de mim para não ficar farto.
    ...e também vou ao cinema sozinho, não que goste muito, mas tenho um gosto cinefilo duvidoso.
    Bjs
    F

    ResponderEliminar
  8. Ir ao cinema sozinha não é nenhum mal. Não é preciso estar com alguém para desfrutar a magia do cinema.

    Às vezes é necessário fazer um programa na companhia do nosso eu. As pessoas que veem algo de errado ou anormal nisso, talvez sejam inseguras, pois precisam sempre de outro para estar bem.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...