Avançar para o conteúdo principal

Porque será...

...que há pessoas que só nos consideram simpáticos ou porreiros quando começamos a dar informações sobre a nossa vida pessoal (e quantas mais, melhor), ou a ter conversas de cacha, daquelas conservas de deitar fora, e cujo conteúdo não interessam a ninguém?

Comentários

  1. Na minha ideia é porque uma grande maioria das pessoas é fútil. Cada vez se torna mais raro ter uma conversa sobre algo com conteúdo. E sinceramente, falar por falar... mais vale estar calado.

    ResponderEliminar
  2. porque são pessoas exactamente desse género
    :P

    ResponderEliminar
  3. Essas pessoas são familiares dos que têm de deitar a mão para saber se estamos vivos, ou chamar-nos à atenção ... que estão a falar ... Gosto muito ...
    Mas num país pequeno, sem grandes meios de divertimento livre, sim que uma discoteca, por muito pacata que seja, dum momento para outro, pode tornar-se num inferno, um restaurante, uma gasolineira, um café ...
    Talvez o enriquecimento pessoal de conhecimentos, se faça à custa de saberes sobre os outros.

    A vida é tão vol
    atil ...

    ResponderEliminar
  4. Mas essas "pessoas" não são Pessoas...são anormais, e a esses eu não ligo, pois a "determinadas coisas" só ligo se estiver muito, mas mesmo muito muito muito...distraido;)

    ResponderEliminar
  5. Tbm me sinto assim, são excessões pessoas que conseguem me prender à uma boa corversa, tdo torna-se futil, quando além de querer saber das nossas vidas , as pessoas querem mostrar algo de si que nunca serão. Gostei do blog.

    ResponderEliminar
  6. Realmente há certos tipos de pessoas assim. Como quando só pelo facto de andar com cara de chateado, ou mostrar-me descontente com algo que se passou, às vezes as pessoas dizem: andas sempre mal-disposto! Ou estás triste ou algo do género. Mas isso não quer dizer que seja antipático. Não gosto de dar confiança logo ali, mas depende às vezes conhecemos alguém q quando começamos a falar: não da nossa vida pessoal; dá a impressão que já nos conhecemos há já algum tempo. E quando isso acontece falo de tudo, menos da vida pessoal da pessoa, pois se houver empatia do outro lado, mais tarde ou mais cedo se saberá.

    ResponderEliminar
  7. Acho que se não houvessem pessoas dessas o mundo ia andar desiquilbrado e cheio de gente sofisticada e erudita a falar de coisas que mais ninguém percebe e muito magrinhos porque as conservas passariam a ser só daquelas de guardar.
    Bjs
    F

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...