Avançar para o conteúdo principal

Tardes de Chuva

Chá na Casa de Ló

A chuva e o frio resolveram tornar a dar o ar da sua graça...O tempo ideal para se descobrir novos chás e novos sons.

Comentários

  1. Na Travessa de Cedofeita, relativamente perto da casa onde fui criado e vivi até aos meus 18 anitos casar...perto da minha escola primária, perto da Praça Coronel Pacheco e, do Alfaiate que fez o meu fato de casamento :)

    Nos tempos da "Margaridense" era lá que ia comprar o famoso pão de ló, os cubos de marmelada, a geleia...ai, que recordações :)

    E perto do antigo Cinema Carlos Alberto onde assisti e participei na Primeira Mostra de Cinema Fantástico do Porto, hoje FANTASPORTO.

    É bom recordar com um bom chá a acompanhar

    ResponderEliminar
  2. Para mim é sem açucar, por favor:))
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Lindíssima apresentação, maquezinha!
    Tenho que lá ir...e sou tão preguiçosa para os anjos da casa.
    Tomei nota, graças a ti!
    Bjinho

    ResponderEliminar
  4. Tardes de chuva, manhãs ensolaradas ou noites de calor. Gosto de chá, seja preto, verde, darjeeling ou Nestea pêssego.
    A mesa parece bem composta, faz-me lembrar uma casa de chá toda posh na Av. de Roma em Lisboa, a "Oh chá", fui lá uma vez e lasquei 8 aerios por uma saqueta de chá lipton com mel. Para me vingar do preço escandaloso à saída roubei a chávena, mas partiu-se no metro e nunca mais lá voltei.
    Bjs
    F

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...