Avançar para o conteúdo principal

Deus é a nossa mulher a dias

Queixas de um utente
Pago os meus impostos, separo o lixo,
já não vejo televisão há cinco meses, todos os dias rezo
pelo menos duas horas com um livro nos joelhos,
nunca falho uma visita à família,
utilizo sempre os transportes públicos,
raramente me esqueço de deixar água fresca no prato do gato,
tento ser correcto com os meus vizinhos e não cuspo na sombra dos outros
Já não me lembro se o médico me disse ser esta receita a indicada
para salvar o mundo ou apenas ser feliz.
Seja como for,não estou a ver resultado nenhum

Deus é a nossa mulher a dias
Deus é a nossamulher-a-dias
que nos dá prendas que deitamos fora como a vida porque achamos que não presta
Deus é a nossa mulher-a-dias que nos dá prendas que deitamos fora como a fé
porque achamos que é pirosa

A NAIFA - CANÇÕES SUBTERRÂNEAS "Queixas de um utente / Deus é a nossa mulher a dias"

Comentários

  1. A letra reflecte uma determinada realidade. Mas, para mim, Deus não é escape. Não porque ache que a fé é pirosa mas porque a questiono até ao limite. E assim não é possível acreditar.
    Quem será a mulher a dias dos que não acreditam? **

    ResponderEliminar
  2. Nem sei o que dizer!!!
    Falar sobre uma coisa que nao conheço nem sequer vi, não é facil...
    Depois o mundo é tão injusto, principalmente para os bons!!!
    Tudo isto é muito questionavél, mas te digo a minha fé é muito diminuta.

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  3. Deus? Não sei... Penso que devemos seguir-nos antes a nós e deixar Deus descansar lá onde ele estiver (que me disseram ser em toda a parte).

    A vida é-nos dada pelo amor, Mac, mas é bem verdade que a desperdiçamos vezes demais...

    Um beijo e um abraço...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo11:18

    Mas é a fé que nos salva e não o pau da barca.

    ResponderEliminar
  5. Quem nos salva somos nós próprios. A noção do bem e do mal é-nos dada pela nossa educação, e não pela religião. Aliás é ver quantos padres realmente respeitam os seus votos (faz aquilo que eu digo, mas não aquilo que eu faço). A fé salva-nos, mas não é a fé num ente superior. É a fé na nossa determinação, no nosso ser.

    ResponderEliminar
  6. eheheh, achei o post original, na sua banal descrição diária. beijo

    ResponderEliminar
  7. « A fé salva-nos, mas não é a fé num ente superior. É a fé na nossa determinação, no nosso ser.»
    Concordo plenamente com isto, Mac, concordo mesmo...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  8. Este texto merece uma reflexão cuidada. No entanto sou dos que entende que se nós não fizermos por resolver os nossos problemas, não será mais ninguém a resolvê-los...


    Um beijo...

    ResponderEliminar
  9. Fantastico e delicioso Post!
    Para quem verdadeiramente o pode entender!!!
    Gostei!!!

    Paulo

    ResponderEliminar
  10. Blayer14:10

    Deus deu-nos a fe e nos tivemos que estragala com a religiao.
    Para questionar a religiao catolica (e nao so para questionar tudo em geral) visite www.blayer.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...