Avançar para o conteúdo principal

Etiquetagem

Fui etiquetada pela Ceci, e pelos vistos tenho de dar 6 informações aleatórias sobre a minha pessoa. Vamos lá tentar:
1) Sou natural do Bombarral, mas apaixonei-me pelo Porto. Vivo cá há 11 anos.
2) Tenho uma cadela (a que aparece na foto do perfil). O seu nome é Borba.
3) Gosto de jantaradas e de conviver com o pessoal.
4) Adoro motos e já tive uma (a Virago 550).
5) A minha paisagem favorita tem de meter calhaus. Talvez por isso adore Trás os Montes (o Paulo Santos vai-me matar).
6) Fartei-me de praia. Prefiro ir para o rio, mas adoro ver o mar.

Próximas vítimas (sorry se já foram etiquetados):

Paulo Santos
Rafaela
Gala
Tiago
Spacegoat

Comentários

  1. Antes demais obrigado por teres passado no meu humilde cantinho :)

    Engraçado teres te fartado de praia... existem poucas pessoas assim, sendo eu uma delas. Adoro o mar mas não aguento estar o dia inteiro num monte de areia :)

    ResponderEliminar
  2. Mac,
    bem, obrigada (acho eu!) por me teres etiquetado... É sempre engraçado mostrarmo-nos mais um pouco. Mas não sei se o vou fazer... Apetece-me sombra, sabes? A sombra arrefece-me agora que tanta falta sinto do frio, mas talvez um dia precise do calor do sol e aí darei continuaidade à corrente de etiquetas... Espero que não te importes e peço desculpa...

    Também achei curioso estares farta de praia. A mim acontece-me o mesmo, tal como à Ana Sousa. Parece que somos uma minoria suficientemente grande... :)

    Um beijo doce, Mac, e obrigada...

    ResponderEliminar
  3. Com que então calhaus.......
    Ok.... Vim apenas dizer-te que não vou fugir ao desafio!!!!
    Embora não seja o objectivo do meu blogg... não posso ficar indiferente á interação!!!!
    É um enorme privilegio.
    Assim penso publicar (ainda tou em fase de meditação...) qulquer coisa referente ao 11 setembro no proximo post.e em seguida cumpro o teu desafio!!!!! Até la....
    um beijo longo!

    Paulo

    ResponderEliminar
  4. Claro que não me importo Rafaela. Nem sequer sabia o que era esta coisa da etiquetagem (ainda sou maçarica nesta coisa dos blogs). O que vale é que a Ceci explicou. Bj para ti.

    ResponderEliminar
  5. :) fico contente por perceber que aceitaste o desafio!! ;)
    Voltei de férias e começo esta segunda no batente.... ai ai, terminou a boa vida!!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...