Avançar para o conteúdo principal

Feliz Natal!!

Para combater a visão consumista do Natal, fica aqui o relato dos Natais da minha infância:

Tudo começava umas semanas antes do Natal, com a busca de um pinheirito e musgo no pinhal mais próximo. Depois era a azáfama de montar a árvore com montes de fitas e luzinhas, e armar o presépio com as suas dezenas de figurinhas. Até tinha direito a castelo com soldados e lago.
No dia 24 à tarde faziamos as filhoses, cuja tijela já ia com umas ditas cujas a menos, por umas mãozitas terem andado a surripirá-las. Mais para a noite era o corropio de pôr a mesa, com a respectiva toalha natalícia, mais os doces, mais as comidinhas, e mais as garrafas de vinho do Porto. Depois íamos para a Missa do Galo (isto ainda era no tempo em que eu era uma "boa menina")...adorava esta missa; pelo facto de ser à noite, e as velas ficarem mais brilhantes e pelos cânticos de Natal. Depois chegávamos a casa, e eu e os meus primos (9 miudos ao todo) punhamos o sapatinho na chaminé, à espera da tão almejada prenda.
Às 6h da manhã do dia 25, a minha avó acordava toda a gente ao som duma sineta, e com os gritos de "É Natal, é Natal! Boas Festas!" E lá corríamos todos em direcção à chaminé, a ver o que o Pai Natal tinha trazido. E que bagunça aquela...só papéis e fitas por todo o lado.
Ricos tempos, vividos com uma inocência, que ainda tento conservar hoje em dia.

Aproveito para dizer que só regresso dia 2 de Janeiro, desejando um Feliz Natal e um Bom Ano Novo a todos os que por aqui passarem!!
Beijoquinhas e um abraço!!

Comentários

  1. Magia11:19

    Que felizes natais os teus...

    Doces lembranças!

    Que essa felicidade simples se mantenha por todos os dias do ano...!

    Cheers e Oh Oh OH !!!!

    Magia

    ResponderEliminar
  2. Pois é minha amiga... lendo este teu post, imagino a festa e a felicidade daqueles putos, que pode bem ser a dos de hoje. Depende de nós, mantermos as tradições.

    Devo dizer-te, que não me importo nada com o tal consumismo nesta época; no fundo, é por uma boa causa. No meu caso, é para ver os que gosto mais felizes.

    Retribuo os teus votos, desejando que nestas festas, consigas criar o paralelo com aquele tempo que tanto prazer te dava.

    Grande abraço, Um excelente Natal e um magnifico Ano Novo.

    ResponderEliminar
  3. Saudações
    Um feliz Natal e um próspero ano novo!!!
    Paz e felicidade.
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Incrivel a coincidência de pensamentos...retribuo os votos de boas festas! Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  5. Feliz Natal... e porta-te mal. bj

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga!!!!!
    È com imensa nostalgia que leio este teu texto!
    É assim que me lembro do verdadeiro natal!!!!!!!
    Antes do euroconsumismo dar literalmente cabo de tudo!
    Enfim...
    Não venho falar de coisas tristes!
    Apenas estar contigo!
    Neste breve pedaço de tempo, estou a beber um pedaço de vinho do porto na casa de amigos que prezo e aonde me sinto em casa!!!!!
    Como aqui em teu blogg!
    Por isso, tenho a ousadia de entrar e alapar-me no cadeirão de balouço...e espraiar-me um cibinho....
    ler-te... ouvir teus sons e ver os filmes que sugeres...
    Acima de outra coisa qualquer, celebrar esta estranaha, mas vera amizade que nos une!!!
    Com mil e um beijos todos eles desejamdo-te um Feliz e santo Natal!
    Teu amigo

    Paulo.

    (aguardo teu regresso!!!)

    ResponderEliminar
  7. Feliz Natal! E um ano Novo Perfeito!!!!

    ResponderEliminar
  8. Posso dizer que a tradição ainda é o que é, excepto o "Pai Natal" que no meu tempo era "menino Jesus". Agradeço e retribuo Votos de Feliz Natal e Próspero Ano Novo.

    ResponderEliminar
  9. Que o verdadeiro espírito de Natal, nesta época de partilha de coisas boas, prevaleça com infatigável desejo na nossa amizade e, num golpe de gesto redondo repleto de magia, deixo-te um cabaz de aromas, esperança, felicidade e um voto para que sempre o amor te inunde com a sua companhia.

    Boas Festas!

    PiresF

    ResponderEliminar
  10. Desses Natais tenho saudade. Pelo menos temos a lembrança de Natais verdadeiros.Quando a minha avó era viva e a família se juntava toda na aldeia.Quando se dava + importancia ás pessoas e menos as coisas.
    Saudade...é algo que acompanha o envelhecer.
    Feliz Natal e Bom ano novo

    ResponderEliminar
  11. Saudações
    Fiz o último post deste ano, agora só volto ano que vem.
    Vim te desejar um ano novo próspero, repleto de realizações, paz e felicidade!
    Viva a vida, esta bela vida!
    Viva 2007!
    Abraços

    ResponderEliminar
  12. Que giro, os meu natais são muitos mais secantes...perdeu-se um bocadinho do espírito natalício cedo de mais...

    ResponderEliminar
  13. Felizes são os Natais da infância.
    Bom Ano para ti! **

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...