Avançar para o conteúdo principal

21%?

Estou chateada!! Fui ontem buscar 1 transmissão nova para o meu Suzuki (pronto, confesso...tenho a mania de "visitar" todos os buracos na estrada. Lol). Depois ao ver a factura, reparei que o IVA é de 21%.
21%? Esta é a taxa para produtos de luxo! Se ainda fosse 1 ar condicionado, ainda percebia. Agora, sem transmissão o carro sujeita-se a empanar, logo é algo necessário, mesmo imprescendível, para o carro andar. Logo devia ser 5%.
Estou chateada, claro que estou chateada!! (por acaso nem estou, mas tem de se escrever algo, lol)
Enfim, desabafos....Deixem ver se deixo de "visitar" os buraquitos. O que deve ser difícil, que as nossas estradas é o que se sabe.

Comentários

  1. hehehhe =)

    Espero que visites menos os buracos então!! =) Assim dura mais qlq coisa =)

    bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que o teu problema é mesmo algo que vem da infância... Eu passo a explicar. Um estudo científico veio comprovar que a maior parte das pessoas que "visitam" os buracos das estradas têm é saudades de jogar ao berlinde e então tentam sempre acertar no buraco. Hehehehehe

    Beijos e bom fim de semana!

    PS: não existe nenhum estudo lol :p

    ResponderEliminar
  3. mac!
    nao digas essas coisas, mulher! já sabes como é que sao os rapazes a rirem de nós na condução. afinal nao custa evitares os buracos.
    quando vires um lembra-te do raspanete que a seguir te daria.
    beijinhos da leonoreta

    ResponderEliminar
  4. Claro que tentar não acertar nos buracos se torna um exercicio de pericia extrema :)
    bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. 21% é a taxa normal!

    ResponderEliminar
  6. Como eu te compreendo bem e faz favor de não chamar produto de luxo a um ar condicionado.


    Bom fim de semana

    :)

    ResponderEliminar
  7. Impossivel nao visitar buraquitos. eles estão por todo o lado. Bem, por todo até não, que lá nos intervalos até tem uns bocaditos de estrada.

    ResponderEliminar
  8. Com as nossas estradas, a transmissão, os pneus e por aí adiante, deviam ser produtos de primeira necessidade, logo taxados como tal. È muito buraco junto neste cantinho da Europa...

    Boa semana

    ResponderEliminar
  9. É verdade! OS impostos são lixados!

    ResponderEliminar
  10. Lamento a taxa a que foste taxada. Espanha nem tem tantos buracos e o IVA é mais aconchegado à bolsa.
    Olha que eu conheci gente que comprou 80 cm de livros, mais metro e meio para outra estante: a sério! Obg pelas tuas palavras. Abç

    ResponderEliminar
  11. LOL... eu fiz pior... há tempos fui contra uma rotunda... literalmente conta a rotunda, aquela parte redonda que normalmente tem relvinha, uma escultura qualquer e costuma estar no meio da estrada!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...