Avançar para o conteúdo principal

Mizarela

Fui passear até à Frecha da Mizarela (Serra da Freita, perto de Arouca). Já tinha tentado lá ir algumas vezes, mas perco-me sempre (no campo não há placas indicadoras pelo caminho). Mas desta vez fui munida do meu GPS...EH, EH, EH!
Claro que aprendi à minha custa que o caminho mais curto nem sempre é o mais rápido, e então lá fui por estradas de curvas e contra curvas. Mas lá cheguei à quietude da Serra e à Frecha da Mizarela, que consiste numa queda de água com mais de 60 mts de altura.
O verde, a calma e os barulhos do campo imperavam...Pela Serra há muitas aldeiazinhas de xisto, com os velhotes à porta, e as vacas a andarem pelas ruas.
Um local a visitar com mais calma...



© MAC -

Comentários

  1. Parece espectacular... fiquei com vontade de lá ir!!!

    [Sorry pela ausência...]

    ResponderEliminar
  2. A natureza ainda nos oferece destas maravilhas, onde nos regeneramos. **

    ResponderEliminar
  3. essa não conheço; conheço uma Misarela, com "s", em entre Frades-Ruivães e Sidrós-Vila Nova, na transição entre o Minho e Trás-os-Montes, um sítio muito bonito também. Tens que ir lá um dia.

    ResponderEliminar
  4. Ahhhhhhhhh tu também és daquelas que está sempre perdida? Fixe!!!! Assim já não me sinto tão ave rara :)

    Também conheço e é lindo sim

    ResponderEliminar
  5. pm: já lá fui, e tomei 1 banhoca super fresquinha. Aquela ponte tem histórias fabulosas, mas isso agora fica para outra vez...

    ResponderEliminar
  6. sinceramente conheci essa queda de agua numa passagem de ano no seculo passado em arouca, na senhora da mó, depois, já no dia primeiro do novo ano passeamos pela freita e vi essa queda de agua.Toda a região é muito bonita.

    ResponderEliminar
  7. Fiz há uns meses posts dedicados a Arouca e passeios pela dita frecha. É tudo lindo (ainda)...!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo15:10

    Sou de Arouca e conheço muito bem todo o concelho. A Serra da Freita é muito pouco de tudo que Arouca tem para ofererecer.

    ResponderEliminar
  9. é bonito. para contemplar claro. infelizmente já nao conseguimos passar sem o betão.
    beijinhos da leonoreta

    ResponderEliminar
  10. ah. agora vou para aqui.
    http://leonoretadelambreta.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  11. Um passeio desses é sempre apaziguante. Bom para refrescar emoções, apreciar a natureza e embalar o stress. Um abraço

    ResponderEliminar
  12. E os bifes?! hummm.....ke bons....comi aki há uns anos um bife num restaurante numa aldeia de Arouca.Fantásticos. nem precisavem de faca para partir...hum... leva-me ctg pra próxima...este fim de semana pode ser?!
    eu levo o meu Gps tb...a ver se ambos acertam no mesmo caminho lol
    já fiz uma caminhada na Serra da Freita e tb adorei :)

    beijinhos

    p.s. e como tens um leitor de Arouca...nada como pedir umas dicas

    ResponderEliminar
  13. As fotos têm bom aspecto sim senhora. Um caso a pensar mas o meu maior problema é que não tenho GPS (Grande Porcaria de Satélite como é chamado pelos amigos mais chegados :D ) e depois há também a outra coisa... não tenho carro :D.

    PS: Não sabia que jogavas Ogame... aquilo por vezes fica viciante lol. beijos.

    ResponderEliminar
  14. deste-me vontade de passear =)

    ResponderEliminar
  15. já lá fui umas 2 ou 3 vezes. nao era muito longe de onde eu vivia.

    agora cá de cima já é 1 bocado mais longe...

    ResponderEliminar
  16. GPS??? Nem pensar...isso é para gente que se perde (artigo de luxo!!! a 21%!!!!)

    ehehehehehe

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...