Avançar para o conteúdo principal

1 Pequeno Ditador


Vivemos sob a batuta dum pequeno ditador, que normalmente vive no nosso pulso esquerdo: o relógio.
Olhamos incessantemente para os ponteiros a movimentarem-se no mostrador, e regemos o nosso dia a dia ao som daquele irritativo tic-tac. Começa com a hora de acordar, com a altura de acabar com a preguiça (e bem que dormia mais 5 minutos...), e depois é despachar para tomar o pequeno almoço e irmos para o trabalho. Aí chegados, parece que o relógio pára de funcionar e as horas não passam. Finalmente chega a hora da paparoca, e o tempo mal dá para 2 dedos de conversa e uma bejeca. De tarde, novamente o suplício para as horas passarem (nem com pancadinhas no relógio ele anda mais depressa).
Chega a hora da saída e lá vamos para casa (ui, que já vou chegar tarde...aquele Silva só sabe meter conversa quando não deve. Já vou levar com o rolo da massa da minha Maria...).
Depois é contar os minutos até ao jogo começar; e depois contar os minutos que a patroa leva a despachar-se na casa de banho, para ter direito a uma bela noite de sexo (quando é para ter prazer o tempo nunca mais passa).
Raios parta este ditador...um dia destes ainda o atiro para o lixo.

Comentários

  1. Eh pá cum catano,nunca me tinha apercebido dessa do ditador. Sofremos todos do mesmo mal. Mas eu acho que não conseguia sobreviver sem relógio, pois quando não ando com um(o que acontece raramente), parece que não sou deste mundo, não sei, parece que fico desgovernado. O relogio é uma das melhores invençoes do mundo sem duvida, mas acomodamo-nos de tal forma a este ditador, que por mais que o deixemos ficar na mesinha de cabeceira ele faz-nos sempre falta e nós sentimos a falta dele.E será certamente uma relação para a vida inteira

    ResponderEliminar
  2. É assim mesmo que ele é! lol

    ResponderEliminar
  3. É... não conseguimos contornar esta necessidade biologica de controlar o tempo, relogios, calendarios, luas e suas fazes. Na amazonis(vivi lá) chove muito em Manaus, onde vivi chovia quase diariamente, mas principalmente em belem do pára, a chuva cai a determinada hora do dia com uma margem de erro tão pequena, que há o hábito de se marcar seja o que for com esse factor subjacente. Assim, é normal ouvirem-se pessoas a combinar eventos como em qualquer outro lado mas com a seguinte particularidade:-ok, está combinado nos encontemos todos logo mais depois da chuva...:)

    ResponderEliminar
  4. Vou-te confessar uma coisa...detesto ditaduras/ditadores sejam de "esquerda ou direita". No entanto, adoro relógios (que uso sempre no pulso direito).

    Fosse eu rico :)))) e teria uma colecção, de maneira a mudar de relógio todos os dias....conforme a roupa e disposição.

    Se atirares o teu pela janela, avisa....

    ResponderEliminar
  5. Já não uso relógio há alguns anos mas... há o telemóvel! Tem horas e também é ditador a outros níveis.
    Habituamo-nos a viver de uma certa forma e depois é difícil mudar... tempo é dinheiro (e dores de cabeça)!

    ResponderEliminar
  6. começamos com o relógio..depois foi o computador..o telemóvel..a internet..agora os GPS's..enfim inventamos tudo e mais alguma coisa e depois somos escravos disso mesmo..o tempo é aquilo que nos resta, não o que passou!!

    mas "rais" parta o despertador :P

    fiquem bem

    ResponderEliminar
  7. Ola ...nao resisti a ligar-me no 1 dia .

    nao li o teu post pk so me liguei 12 minutos , so vi a palavra sexo ehehehe

    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Ditador total! :) Toda a nossa vida é ditada pelo tempo (e atirar fora o relógio não resulta...) :))**

    ResponderEliminar
  9. Isto hoje está com visual novo ;););)

    ResponderEliminar
  10. És 1 marota Gala. Fartei-me do preto, daí o novo visual.

    ResponderEliminar
  11. 19 days without him it's a must.
    By mac, kiss's

    ResponderEliminar
  12. bom!
    é assim:
    o dia tem 24 horas e divide-se em 3 partes. 8 para trabalhar, 8 para dormir e 8 para curtir. é certo que tenho de roubar as 8 de curtir o ir e vir do trabalho mas isso pode ser uma curtição. tudo depende do jeito que eu der ao tempo.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Pior que o relógio é as rotinas as quais cedemos involuntariamente né?? Relógio no lixo não resolve o problema mas se calhar o acto de o espezinhar a meio da noite numa beira de estrada qualquer com a rádio no estalo é capaz de ser um bom tranquilizante:))

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...