Avançar para o conteúdo principal

Anónimos da vida



Apesar de a opinião dos blogs ser livre, por vezes aparecem aqueles anónimos chatos, embirrentos e mal educados, que criticam tudo e mais alguma coisa, mas sem dar o porquê da critica. Ninguém é obrigado a concordar connosco, mas ao menos critiquem em condições. E ainda por cima são leitores assíduos dum dado blog. Não gostam, mas estão sempre lá caídos.

Infelizmente, também há os anónimos da vida, que minam o trabalho efectuado por outrém, sem nunca darem a cara...Pode-se sempre contar com a sua pesença...
Praga!!!

Comentários

  1. Curiosamente já não é a primeira vez que leio posts em relação a este tema mas até hoje tenho sido uma privilegiada...Nalguns casos as vezes até tenho a sensação que as pessoas "imaginam" algumas situações de forma a chamarem a atenção ou até insinuarem perseguições inexistentes porque bloqueiam temporariamente os mails mas nunca levam a decisão até ao fim...o que me faz um pouco de confusão:).
    Pronto..espero que não me consideres embirrenta e chata por apresentar mais uma vez um lado menos ortodoxo de uma situação...:)))

    Gosto do verde:))

    ResponderEliminar
  2. No meu blog também ainda não me surgiu uma melga destas, mas há blogs, nomeadamente o "Antitudo", em que os anónimos são 1 constante.

    ResponderEliminar
  3. é como pregar rasteiras sem nunca dar a cara..como fazer tudo pela 'calada', e nunca darem a cara, é como fazerem telefonemas anónimos, escrever cartas anónimas..enfim..a todos eles que fazem isso, só digo:"mesquinhos, e não têm mais nada pa fazer do que chatearem os outros?? ocupem-se da vossa vida..ou então sejam homens e mulheres e assumam com cara as vossas posições!"

    e tenho dito :D

    ResponderEliminar
  4. Para isto há um remédio: indiferença, bom humor! lolololol



    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Ois Mac:)
    Venho de mansinho pa te deixar uma beijoka anónima lol.
    Que o calor perdure!!

    ResponderEliminar
  6. "anonimos da vida", onde é que já ouvi isso?!

    boa noite

    ResponderEliminar
  7. Não sei. Há alguns a meter medo aos cães, com caras de filmes de terror, deve ser fogo de vista. Mas acredito que há gente estranhamente orgásmica, com as coisas dos blogs dos outros. Coitados... e não se pode exterminá-los? Abç

    ResponderEliminar
  8. o_anticristo16:29

    Eu geralmente não me importo com esse tipo de comentários pois geralmente só nos dão razão.
    Se digo mal de morangos com açúcar e dos seus fãs (por exemplo), prontamente surgem pitas que me começam a ofender sem argumentos nenhuns, o que acaba por defender a minha posição... Enfim... São pessoas que provavelmente se sentem frustradas e vêm para aqui descarregar...

    Bifes para todos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...