Avançar para o conteúdo principal

Fumo


Ontem fui jantar fora e depois fui a um bar. Havia qualquer coisa de diferente...perguntei a mim mesma o que seria, olhei em volta, e de repente percebi: não havia fumo de tabaco!

Que me desculpem os fumadores, mas esta lei foi uma verdadeira maravilha. Finalmente, estava em sítios em que se pode respirar, sem correr o risco de levar com uma baforada de fumo. Finalmente fui a um bar sem regressar a casa com a roupa e o cabelo a tresandar a fumo de tabaco.


E não me venham lá com o discurso que esta lei é fascista e limitadora das liberdades. Afinal a liberdade de cada um acaba, quando entra em rota de colisão com a liberdade de quem está ao lado. Porquê que carga de água, que eu, não fumadora, hei-de levar com o fumo dos outros? Porquê que os fumadores teriam direito a fumar em espaços fechados e a prejudicar quem está ao lado, e que não fuma? Afinal quem são os egoístas? Deve-se proteger quem não fuma, e não o contrário.

Esta lei só peca por ser tardia...Já devia ter sido publicada há mais tempo!

Comentários

  1. Apoiada... mais do que apoiada :D
    No outro dia também fui jantar e reparei exactamente no mesmo, parece que o ar até está melhor do que o da rua :D
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Até para a ASAE é benéfico.
    Os olores ou odores vaporosos das cozinhas, já dão, logo à entrada, uma pequena amostra do que se passa entre panelas e tachos.
    Não sou muito religioso, mas bem haja, a Lei anti-tabaco, (eu que fumei, há longos anos cinco maços por dia) e as inspecções da ASAE.

    ResponderEliminar
  3. Quando por educação e por civismo quem fuma não liga para o facto de estar a jogar fumo para as outras pessoas, então têm de se colocar uma lei para por as coisas na ordem...

    ResponderEliminar
  4. Eu fumei anos a fio e baforava especialmente no local de trabalho. Um maço. Em 8/9 horas iam-se 20 cigarros no mínimo. Curiosamente, nunca fumei dentro do carro e em casa, por respeito às duas gêmeas que lá tenho.
    Deixei de fumar há, mais ou menos, 365 dias.
    Nunca disse nada a ninguém que viesse fumar para o meu gabinete. Pois se eu também tinha esfumaçado!
    Agora, sou inflexível. Ninguém fuma. Ponto final parágrafo.
    Mas admito que quem queira fumar tenha espaços que lhes sejam dedicados em exclusivo.

    ResponderEliminar
  5. Eu ainda não reparei nessa lei:), Onde entro ha autocolante azul e isto anda a deixar-me baralhada, não entendo muito bem a tal da lei. Cada vez que oiço um não fumador percebo e concordo com os seus argumentos mas o mesmo me acontece quando escuto um fumador, sou uma cabecinha tonta sem grande personalidade:)))

    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  6. E eu fiquei satisfeito quando fui à igreja, as beatas foram dar uma volta ao bilhar grande.
    Quem lucra... são os azuizinhos, pois claro. Até os que não fumam estão sempre lá poisados. Porque será???

    ResponderEliminar
  7. De há muitos anos que aos padres era proibido fumar nas igrejas.
    Para não deitarem as beatas no tapete!
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  8. Não comento porque esse assunto já me dá vómitos maiores que as baforadas de fumo! :P

    Mas deixo-te um beijo enorme e despoluido :)

    ResponderEliminar
  9. Já não digo nada...acho que mais dia menos dia voltará tudo ao mesmo.
    Tenho saudades dos tempos em que o prazer de fumar era só para "alguns" e que ponderavam sempre as boas normas de educação e maneira de estar. "Posso fumar?"....cheguei muitas vezes a perguntar. Hoje não fumo (por opção própria) e ainda bem;)

    - Vai um chocolate?? ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...