Avançar para o conteúdo principal

INEM





Se isto que aconteceu não fosse tão grave, até dava para rir...É incrivel como estascoisas acontecem, e é incrivel como podem bombeiros estar sozinhos num quartel e nem sequer sabem o que fazer.
Mais grave ainda é o ministro da Saúde estar, neste preciso momento a apresentar gráficos e a dizer que os portugueses confiam no sistema de saúde. Que remédio!!! Como se estar à espera 10/15 minutos que o INEM atenda, e esperar 20 minutos que ambulânciachegue ao local fosse sinal de eficiência. E isto nas grandes cidades...Nas terras perdidas no meio do monte o tempo é o triplo.
Olhe Sr. Ministro, espero que não tenha nenhum familar a residir numa aldeia perdida de Trás os Montes ou do Alentejo, e que o socorro chegue a tempo.
É que o preto a si não lhe fica bem...

Comentários

  1. Uma imagem do país real, infelizmente, vergonhosa.
    Já ouvi um bombeiro dizer, que o problema é do INEM e não dos bombeiros, por falta de meios e preparação adequada.
    O problema minha amiga, é que o sr. ministro resolveu por a carroça à frente dos bois, e das tais 42 Urgências Básicas necessárias e propostas pela Comissão só abriu 32, não se conseguindo conter entretanto, por razões economicistas evidentes, de encerrar uma série de SAPS.
    Assim, se demonstra à evidência, a descoordenação e falta de planeamento na requalificação e articulação do Serviço Nacional de Saúde.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Um novo caso em Setúbal, passou no noticiário da TVI. Isto não pára.

    ResponderEliminar
  3. No mínimo uma vergonha, passado uns dias outra televisão foi a Alijó e subitamente tudo já funcionava bem, interessante...

    ResponderEliminar
  4. O povo é iletrado e gosta de o ser.
    A nossa política sobrevive só por isso, por mais nada. Houvesse cultura, não a treta da popular, cultura estruturante e garanto-te que as coisas se passariam de forma diferente. Em primeiro lugar, a política, essa, não seria dogmática e aldrabona, os políticos, esses estafermos, seriam julgados em detalhe não nas urnas, isso é que era bom, na barra cara Mac, na barra dos tribunais. Assim, somos uns tótos, e como já de trás vem, comemos e calamos.

    ResponderEliminar
  5. e o ministro lá foi, depois disto tudo(!), mas o pior é que nada vai mudar.

    ResponderEliminar
  6. Acredita que pela minha parte me sinto melindrada com esta situação! É a tal apatia que se nota no povo, pessoas sem empenho, sem valor, sem dedicação…que se escondem muitas vezes atrás da desculpa dos meios para relativizar uma inércia profissional que considero assustadora!
    Pronto…já mostrei a minha indignação falei bem??!!:)))

    ResponderEliminar
  7. A política está certa e defendo-a acerrimamente.
    Está(va) a ser mal implementada.
    Antes de haver condições já estava encerrada mais uma urgência, um SAP.
    Grave é os bombeiros, o INEM, ou quem tem que estar alerta, ter só um "telefonista" de plantão.
    Isto é que é criminoso.
    O outro também só estava um, mas ia fazer o frete de chamar quem deveria estar de serviço e estava a dormir.
    14 minutos de telefonemas, mais o tempo da viagem, se fosse um enfarte, ou um AVC, lá "marchava" o doente.
    Toda a vida nasceram crianças em ambulâncias e morreram pessoas á porta das urgências ou dentro delas.
    E não vão acabar esses casos ...

    Porque urgências havia ou ainda há que numa noite recebiam 2 a 3 doentes e estavam de serviço quase 50 pessoas.
    Também é uma verdade que para se pagarem os chorudos vencimentos que muitos auferem, sejam donde forem, temos que contribuir e se contribuímos para isso, também temos a obrigação de contribuir para urgências em que o pessoal está aganhar, mas como não há doentes, estão em casa e são chamados, tendo a obrigatoriedade de se apresentarem dentro de 30 minutos.
    É isto que completa os salários de miséria que miseravelmente são pagos aos misérrimos portugueses.
    Aqueles que ainda têm trabalho ...

    ResponderEliminar
  8. Estas situações são tão graves que me escuso de comentar. No entanto, acho eu, que o Ministro (que já se foi) e outro qualquer que apareça, não são os causadores desta sitação. Lamentável sim, é um problema antigo nunca ter sido resolvido por nenhum dos governos, governantes, ministros e outras coisas tais, que por este País já sentaram o seu traseiro no "trono" e nada fizeram no sentido de levar este País para a frente, começando por "arrumar a casa".
    Enfim...política (dos nossos políticos)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...