Avançar para o conteúdo principal

Ano Novo

Sempre que batem as 12 badaladas que separam o dia 31 de Dezembro do dia 1 de Janeiro, assiste-se a uma apoteose por parte das pessoas que estão a assistir a uma passagem de ano. Multiplicam-se os beijos, os abraços, os desejos e as promessas...

Qual a razão para tanto alarido? A sensação que se tem no Ano Novo, é que uma nova vida está a começar. O Ano Velho, juntamente coma nossa velha vida, são queimados no fogo de artificio, e parece que se abre um novo capítulo...

Mas não é isto ilógico? Afinal, a nossa vida continua a decorrer como até agora, continua a haver um continuum. Se fossemos nós os senhores do Tempo, cheira-me que arrancaríamos páginas atrás de páginas do livro da nossa vida, em vez de as conservarmos religiosamente e aprendermos com os nossos erros, e crescermos com as nossas experiências.

Comentários

  1. Não podemos crescer ... o governo não quer e nem nos deixa ... mas os que estão à porta para entrar ainda vão ser piores.
    Não sou saudosista, nem na minha vida particular.
    Mas falta-nos um D. Afonso Henriques, se é verdadeira a história que nos contaram!

    ResponderEliminar
  2. Ui, como eu entendo o que escreves :p
    Mas mesmo que se queime a velha vida... ela tem outras cópias guardadas ;)
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Bem visto, sim senhor.
    E finalmente encontro alguém que foge ao cinzentismo geral de tentar fazer que cada dia 1 de Janeiro é um corte epistemológico com o passado...

    ResponderEliminar
  4. Que o ano de 2008 te traga muitos momentos sem lógica:), feitios à parte estou certa que vislumbras os beneficios duma certa incoerencia de vez em quando:)

    Beijoca!

    ResponderEliminar
  5. Tive um prof de Filosofia q me disse: a minha passagem de ano é no meu aniversario. nc mais me esqci. e tem razao. mas gosto da noite de 31 e dos excessos q cometo... tao bom... bj

    ResponderEliminar
  6. Ois Mac:)
    Por mim, já que o dia tem 24 horas, deveriam ser 24 badaladas, ih ih, isso sim era Martini.
    Quanto a ser ilógico, claro que é, todavia, como os sábios dizem a lógica não se circunscreve aos símbolos <, >, ^, v, =>, <=>, a lógica também é uma batata.

    ResponderEliminar
  7. é o texto mais chato que ja li em toda minha vida fala serio é ano novo e naum cimitério kkkkkkkkkkkk

    ResponderEliminar
  8. no dia de ano novo se comemora festas q toda cidade comemora passa até 2h da manhã acordada a festa começa 12:00 meia noite e er tão bom
    um beijo
    feliz natal
    e ano novo

    ResponderEliminar
  9. Anónimo22:21

    é sim é verdade

    ResponderEliminar
  10. Anónimo22:22

    é sim é verdade

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...