Avançar para o conteúdo principal

2007

Esta costuma ser uma altura em que se faz o saldo do ano que está quase a findar. O que nos trouxe 2007?
Eu acho que foi um ano em que várias máscaras caíram, e as instituições/pessoas mostraram aquilo que sempre foram, mas tinham vergonha de ocultar. Mas este ano resolveram-se assumir. E estes são os prémios de 2007:
- Para os Media, prémio de melhor abutre, com o circo que se montaram à volta do caso Maddie;
- Para o Jardim Gonçalves, prémio de maior cara de pau, ao perdoar a dívida do filho;
- Para os líderes mundiais, prémio de melhores hipócritas, ao fingirem que se preocupam com o ambiente;
- Para Vítor Constâncio, prémio do melhor regresso de morto vivo, por finalmente se ter pronunciado sobre o escândalo BCP (este prémio foi um dos mais dificies de atribuir, devido ao peso dos restantes nomeados: Paulo Portas, Santana Lopes e Cavaco Silva);
- Para Carolina Salgado, prémio de melhor esperteza saloia - como é possível ter ganho tamanho protagonismo e ainda ser convidada para tudo quanto é festa?
- Para o Metro de Lisboa, prémio de melhor obra de Santa Engrácia;
- Para Joe Berardo, prémio de melhor Robin Hood (quem o ouve falar, até parce que está do lado dos mais desprotegidos, não é?)
- Para o Zé-Povinho, prémio da paciência, por mais uma vez levar com todos estes marmanjos e ter pachorra para os aturar a todos...

Comentários

  1. Olá amiga, a minha ausência está justificada :)
    Espero que tenhas tido um excelente Natal, o meu foi muito bom.
    beijo no coração

    ResponderEliminar
  2. Ora... cá estão uns prémios bem merecidos...

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. "Eu nasci assim, sou assim, serei assim e morrerei assim".
    Sou corrosivo.
    Não concordo com dois prémios.
    1º a Carolina Salgado, (antes de prosseguir, quero dizer que nem sou portista, nem benfiquista, nem sportinguista - há 61 anos que sou azul, sim só azul, "Os Belenenses")
    Por questões laborais, tive milhentos contactos com tudo e todos os que pertenciam ao FCP, antes de Óscar da Silva Cruz, durante e após.
    Não me vou alongar mais.
    Mas ela não conta, nem metade do que sabe, PORQUE NÃO TEM PROVAS PALPÁVEIS!!!!!!!!!!!!!!!!!!)
    O outro é para o Joe Berardo.
    Se não visse o seu filão a escapulir-se, os "ratos" continuariam a afiambrarem-se com o queijo ...
    Não sabe dizer nada, mas tem dinheiro e sabia o que se passava e se não fosse ele, tínhamos que pagar os desmandos do filha da pu ... quero dizer do Jardim Gonçalves e os juros do dinheiro que voou para outros paraísos ...
    A Vida na Terra não é o que parece, mas também não parece o que é !!!

    Um bom ano, e que todos os anseios possam ser concretizados.

    ResponderEliminar
  5. E para ti um beijo e o desejo de que os próximos prémios sejam melhores

    ResponderEliminar
  6. Belos prémios :D
    Zé-Povinho (nós) é que somos os maiores :D
    Bom ano novo, beijos.

    ResponderEliminar
  7. Venho aqui propositadamente para te desejar um Próspero Ano Novo. Faço-o em meu nome pessoal, em sinal de reconhecimento pela amizade e estima.
    E também em nome do NOTAS SOLTAS, IDEIAS TONTAS

    Post Scriptum - Lá aguardamos o seu texto...

    ResponderEliminar
  8. Venho lhe desejar um Feliz Ano de 2008, que seja o realizar de todos os seus desejos.

    Tiago

    ResponderEliminar
  9. Lol! Descreveste mesmo muito bem este ano que passou! Enfim resta esperar que 2008 seja menos péssimo!

    Boas entradas :)

    ResponderEliminar
  10. Oh...não concordo nada com o da Carolina, sou fã da criatura e comprei o livrito para ajudar a sua causa:))

    ResponderEliminar
  11. Há aí muito corrupto, bruto, bufo, sim senhor. Um grande acordo para estas nomeações...mas a mim parece-me que há ainda muitos óscares a distribuir. Estamos a ficar o mais possível palhaço-políticos, quero eu dizer, eles ... que nós assistimos à palhaçada! Injustamente injustiçados.
    Bj

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...