Avançar para o conteúdo principal

Confiança II

E ainda a propósito da palavra "Confiança", eis a foto que a acompanhou:

E este é também o bicharoco que acompanha a foto do meu perfil. Trata-se de uma cadelinha que me acompanha há já 5 anos, tendo sido encontrada com 2 meses de idade numa lixeira junto a uma Zona Industrial, e por aquelas voltas que só o destino dá, veio-me parar às minhas mãos...

Quando nos apresentaram, confesso que fiquei um pouco reticente. Primeiro, porque preferia um gato, segundo, porque era uma cadela e com os cios seria complicado, e terceiro porque tinha as patitas um pouco grandes e tive receio que ficasse grande. Mas depois a bichana olhou para mim com olhinhos de cachorrinho abandonado, e fiquei toda derretida...E lá a trouxe para casa.

No primeiro mês, o bicharoco assustava-se por tudo e por nada, ficando sobressaltada com barulhos mais fortes; agora...agora é vê-la a correr por aí fora, armada em dona do território que circunda a vizinhança. E não dispenso a sua companhia, quer seja nas minhas idas regulares a Lisboa (indo comigo no comboio), quer seja nas férias.

Mas quem venha cá a casa é melhor se acautelar: primeiro tem uma recepção super ruidosa,que deixa a pensar se seá seguro entrar; posteriormente é recepcionado com montes de lambidelas e pedidos de atenção...

Beware with the dog...

Comentários

  1. Assim ao longe, só poderia ser cadela.
    Aquele ar altivo e a pose ...

    ResponderEliminar
  2. Muito bem, um exemplo de confiança...

    ResponderEliminar
  3. :)
    Já tinha uma gata que meu filho me ofereceu quando saiu "como me vou embora trouxe-te 1 gata para nao ficares só" disse ele (se eu soubesse que eram substitutos teria tido só gatos que sempre dão menos trabalho que filhos :P).
    Um dia passamos e vimos a gatinha quase recém nascida, toda encolhida. "Não! Já temos uma!!" mas não resisti. Aconteceu o mesmo: assustava-se por tudo e nada. Agora á estão as duas felizes da vida :) e eu também :)

    ResponderEliminar
  4. A minha filha implora ha anos por uma cadelita mas confesso que sempre me tenho sentido renitente em fazer-lhe a vontade. Este teu post deu-me que pensar...quem sabe este natal me decido:))

    Fica bem!

    ResponderEliminar
  5. Assim sim... amiga dos animais e ainda por cima uma dona conscienciosa. Gostei de ler. E agradeço o conselho.

    ResponderEliminar
  6. Tão fixe lol. De facto tem aquela pose de que é tudo dela... o que deve ser verdade :D
    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Eu escolheria, para ilustrar a palavra confiança, talvez uma foto minha :)))))))))) é que nos tempos de hoje, eu confio em mim, só em mim e....no mínimo, até hoje :)
    E por falar em "bicharocos"... o meu dá pelo nome de "Leão" (também adoptado) e não gosta muito de ladrar...é demasiado exercício para ele, no seu porte de "Serra da Estrela".

    Bom...aproveito a boleia e renovo os meus sinceros votos de Boas Festas e um super Ano Novo.

    ResponderEliminar
  8. ... (re)passando, (re)lendo...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...