Avançar para o conteúdo principal

Confiança I

A palavra escolhida esta semana no Palavra Puxa Palavra foi "Confiança" (para quem não sabe, trata-se dum blog onde todas as semanas há um tema/palavra, e o pessoal envia um foto a retratá-la). A sua autora deixou-nos no mail um comentário que me levou a escrever este post: é que a maior parte das fotos que ilustra a palavra "Confiança", trata-se de fotos de animais.

E é esta a curiosidade da coisa...Será que confiamos assim tão pouco nos humanos? Confiamos nós mais nos animais? O que nos leva a ser reticentes em relação aos outros?

Comentários

  1. Bom Dia. Da maneira como a vida corre, é normal que cada vez mais deixemos de confiar nos outros. Talvez pelos atropelos uns com outros , na estrada, pela vida. Não quero dizer que não confiemos nos nossos amigos, ou nos nossos familiares. Mas quando precisamos os verdadeiros amigos revelam-se e aí podemos dizer que é de confiança. Mas a outra confiança, a dos animais? Essa é sem duvida a maior delas. Os animais são seres irracionais, mas cada vez tenho a sensação que posso confiar no meu cão, pois pode não falar comigo, mas está sempre ali ao nosso lado; afinal é considerado o nosso melhor amigo. Pelo menos o meu. Acompanha-me para todo o lado, não me aborrece, é sempre afável, enfim, etc. se eles são maus? É natural pela natureza deles. A Nossa? É cada vez mais atropelar o outro e se calhar alguns de nós gostamos de fazer mal aos outros. Não é a nossa natureza, mas a nossa forma de estar com os outros.

    ResponderEliminar
  2. A nossa falta de confiança nos outros começará na nossa própria falta de confiança em nós próprios? Talvez... mas o mundo, tal como está, também não ajuda nada.

    ResponderEliminar
  3. Eu já tive uma alma mais aberta que hoje em dia. Eu já tive um coração maior, mas as pessoas não revelaram-se tão amigas como as julguei, e já apanhei algumas decepções. E fiquei muito chateada...chateada comigo mesma por ter sido tão burra e tão confiante. Resultado: hoje, tenho algumas reticências em aproximar-me verdadeiramente das pessoas, dou 2 passos atrás antes de dar 1 em frente. Concordo com o Sérgio: os animais são os únicos que não nos decepcionam e os únicos que não têm falsidade.

    ResponderEliminar
  4. Nem li os comentários, nem vi o "original".
    Eu acredito piamente nos animais!
    Veja-se o caso dum untuoso e lustroso (este último termo, em versão brasileira) animal de quatro patas, duas sobre-erguidas, para o confundirmos com um ser humano, que se farta de bramir no meio do mar.
    É por isso (que TODAS AS MULHERES me perdoem, A MINHA, há 34 anos que me perdoa, não as palavras, que são meros símbolos, mas os actos) que dizem que as mulheres são meros papagaios.
    Esta "avis" rara, não tem a epiglote, daí o termos que retirar do reino animal racional ...
    mas que é um animal, ninguém o duvide.

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que são boas perguntas mas sinceramente não sei o que dizer. Acho que a única coisa em que podemos confiar é a morte (ok, pode ser mórbido mas é a única coisa que é certa). Os seres humanos são imprevisíveis e é por isso que a confiança total nem sempre é fácil e só poucos a merecem (ou ainda não foram testados ao limite).
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. pedro alex17:33

    Ois Mac:)
    Já tive muita bicharada irracional, e racional também.
    A confiar, prefiro os racionais, homens ou mulheres, tanto faz, ainda confio nesses bichos.
    Beijocas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...