Avançar para o conteúdo principal

Festival Para Gente Sentada








Sexta e Sábado decorreu em Santa Maria da Feira o Festival Para Gente Sentada. 6ªF decorreram as actuações de Sean Riley and the Slow Riders, Terry Lee Hale e Nina Nastasia, no Sábado actuaram Norberto Lobo, JP Simões e Richard Hawley.
Adorei!!! Tenho de confessar que não conhecia este Festival e muito menos os artistas que por lá actuaram, mas excedeu as minhas expectativas. Gostei principalmente do 1ºdia, de Nina Nastacia e da sua voz potente e especialmente de Sean Riley, que apesar de não parecer são uma banda portuguesa. Constituída por 3 jovens multifacetados, onde cada um toca uma série de instrumentos, e onde ressalta a figura do baixista, com um fato fora de moda e a lembrar o Frankenstein. É se de estar atento a estes meninos.

O 2ºdia ficou marcado por Richard Hawley e o seu estilo rockabilly e pela actuação dos 2 portugueses, o estreante Noberto Lobo e JP, um excelente comunicador e cujas músicas têm um cheirinho a bossa nova.

Foram 2 dias espectaculares!! Para o ano há mais...

Comentários

  1. no outro dia ouvi na rádio o "Richard Hawley" que não conhecia: muito bom. fui muito em cima e já não dava para ir até stª maria da feira; pelos vistos perdi um grande festival.

    ResponderEliminar
  2. Aqui a dois kms e não pude ir, conflito de agenda.

    De facto Santa Maria da Feira é realmente um espectáculo nestas áreas culturais.

    ResponderEliminar
  3. Este festival não me puxou a ir, confesso que não é muito o meu estilo. No entanto, se fosse, seria sem dúvida por Sean Riley and the Slowriders. Estes meninos são da minha cidade, Coimbra, e já tive oportunidade de os ver uma vez num belo concerto com os Wraygunn. Com certeza que irão longe :)

    ResponderEliminar
  4. Muitos quilómetros me separavam de Santa Maria da Feira. No entanto, não viesse hoje aqui, e continuaria no mais profundo desconhecimento.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Barcelona em teus olhares, ainda bem que foste, entranha-se essa cidade!
    Obg pela indicação, Vilar de Matos foi objecto duma visita e loucura (minha) já há dois anos... Fiz vários posts no meu blog sobre esse lugar de encanto. O Sr. Paulino Curval que diz "querer morrer no meio das suas camélias"...
    Até no PPP (em "Improviso" 22.3.07) ele lá está, num riso muito seu. Foi bom lembrares...
    Bj

    ResponderEliminar
  6. ahhhhh....também estiveste lá! Pois...mas eu não. Andei (ando) por outros festivais ;);)

    ResponderEliminar
  7. Nem sei quem disse, "abençoados os ignorantes".
    Não sou muito de Festivais, para não dizer que desde que o Zeca Afonso morreu, não vou a nenhum.

    Cheguei a ir a Vilar de Mouros 2 anos seguidos.

    Mas a vida e a família não nos proporcionam o que gostaríamos de fazer, mesmo em conjunto.

    Oiço rádio ... sentado!

    ResponderEliminar
  8. ...música é cultura, sem dúvida...
    Abraços

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...