Avançar para o conteúdo principal

Scape

Palavra "Vaporosa" no Palavra Puxa Palavra

Se saltasse do avião, será que estas nuvens feitas de algodão doce amparariam a queda?

Post scriptum: ainda não percebi como há tantas cenas de sexo passadas no wc dum avião...É que aquilo é minusculo. Fantasias no ar?

Comentários

  1. quer-me parecer que não amparariam ninguém, mas que dá vontade, dá!

    ResponderEliminar
  2. bem visto...

    Bom post, sem duvida.

    ResponderEliminar
  3. Pelo registo a tentação é grande. Uma queda livre amortecida pelo algodão doce e depois uma incursão breve pelos wc afim de desaçucarar os excessos da queda.
    :D

    ResponderEliminar
  4. Há cenas de sexo no WC dos aviões, porque não têm tempo de verem as doces núvens ... e daí chegarem mais facilmente a elas, (núvens)!

    ResponderEliminar
  5. Que foto tão fixe! Foste tu? Muito gira mesmo.

    beijos

    ResponderEliminar
  6. e o sexo na casa de banho do aviao é a dois ou a um?
    a dois acho incrivel mas nao impossivel. a um é perfeitamente aceitavel.
    quanto ao aparo da queda pelas nuvens, acho que sim. saltavas e era uma especie de cama elastica, rsss
    fora de brincadeiras. porque nao havemos nos de transformar o literal numa metafora?
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Não conheço os WC's dos aviões...tenho um medo horroroso de voar. Só "drogado"....entro quase a dormir e saio a cambalear :)

    São assim tão pequenas?....mais pequenas que um Fiat 127? :)))))))))))))))))))))))))))))

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...