Avançar para o conteúdo principal

Columbine

Faz hoje 9 anos que ocorreu o massacre na escola secundária de Columbine, onde 2 estudantes atiraram em vários colegas e professores.
Nós por cá exportamos tudo o que vem do lado de lá do oceano, violência incluída. Está-se agora a assistir ao fenómeno do car-jacking, e a violência contra os professores tem dominado a comunicação social., e Pinto Monteiro surgiu a falar sobre a presença de armas nas escolas.
Nos EUA já há muitas escolas que têm um detector de metais nas suas entradas a fim de evitar situações como as de Columbine.
Será que as coisas irão chegar a este ponto por cá? Vamos ter um dia detectores de metais nas nossas escolas? Vamos ter um dia um massacre como este que ocorreu?
Espero muito sinceramente que não, e espero que as pessoas responsáveis acordem para esta realidade o quanto antes, para que um dia não tenhamos de enterrar os nossos filhos...

Comentários

  1. eu acho que só chega a esse ponto se deixarmos. o procurador pinto monteiro disse - e bem, na minha opinião - que hoje tratam mal o professor, amanhã levam a faca, depois a pistola e quando crescerem já não há quem tenha mão neles!
    se calhar ainda vamos ter saudades dos professores que nos batiam por coisas bem menores...

    ResponderEliminar
  2. Tenho a esperança que não cheguemos a esses noiveis de violência, temos é de reprimir estes focos de violência, enquanto eles não se alastram.

    ResponderEliminar
  3. Na América, (e não falo em EUA, que são mais pequenos, pois o grande sonho de muitos ao longo dos anos e séculos era o sonho da América, aquele monstro), vendem-se armas como "chupas", são um povo "evoluído".
    Por isso têm que arrostar com essa evolução ...
    Aqui não chegaremos a esse ponto, basta um pouco mais de autoridade para o professor.
    Agora com a "passagem administrativa" dos alunos vai ser um "País das maravilhas"

    ResponderEliminar
  4. Os gauleses diziam que os romanos são loucos, eu digo o mesmo dos americanos.
    Vendo os sinais poderia afirmar que estamos a presenciar o declínio da sociedade americana. No entanto, talvez pela sua multiracialidade e multinacionalidade, os gajos possuem uma capacidade regenerativa fantástica que faz deles, quer se queira, quer não, uma sociedade fabulástica.
    Nós copiamos tudo, mas copiamos mal. Nunca chegaremos aos extremos do tio Sam, não possuimos genes para isso.

    ResponderEliminar
  5. Ía passar à frente porque tenho resistido à tentação de comentar este assunto professores versus alunos versus escolas versus pais versus violência....

    Concordo contigo que temos uma tendência enorme em importar tudo e frequentemente tudo o que é menos bom, mas...

    Bem... a violência (vamos chamar-lhe assim) nas nossas escolas não é de hoje. O que é de hoje é ter chegado aos orgãos de comunicação.

    "e espero que as pessoas responsáveis acordem para esta realidade o quanto antes"
    Eu também espero! Mas é bom que nos lembremos que essas "pessoas responsaveis" somos TODOS nós! Este não é um problema das escolas, é um problema social! E todos fazemos parte dessa sociedade, como alunos, professores, pais, politicos e sobretudo como cidadãos!
    No dia em que encaixarmos isto nas nossas cabecinhas, assumirmos responsabilidades em vez de as mandarmos para cima dos outros perdendo tempo a simplesmente encontar culpados, então sim, estaremos no bom caminho para chegar à solução.

    ResponderEliminar
  6. O melhor será estarmos preparados para o pior...
    Ainda que Portugal seja dos países mais seguros do mundo.

    Bom fim de semana, beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. O comentário não tem nada a ver com a postagem.

    Passo por esta casa quando posso.
    Tenho 67 para visitar.
    Como estão nos favoritos, ao clicar aparecia-me sempre a imagem do farol, de 14 de Abril.
    Por acaso sem querer cliquei por cima do nome do blog e apareceram as novas notícias.
    Já me tinha sucedido mais do que uma vez ... ainda não tinha aprendido totalmente, mas agora, apesar de burro velho não aprender línguas, fiquei a saber masi qualquer coisa.

    Foi essa a minha ausência.
    Um resto de bom domingo!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...