Avançar para o conteúdo principal

25 de Abril - Ressaca

O Poder Local Democrático constitui uma das maiores conquistas de Abril, que poderia contribuiria para a modernização e o desenvolvimento local e regional.
Em vez disso, vemos os políticos servirem-se desta grande conquista para arranjar tachos para os seus amiguinhos, o interesse público a ser usado para as negociatas ligadas ao imobiliário, os dinheiros dos contribuintes a serem gastos em coisas que não fazem a mínima falta, em subsídios para os clubes de futebol, a corrupção a alastrar...
A liberdade chegou, mas à boa maneira dos tugas, os políticos não souberam o que fazer com ela e usaram-na para o mal...

Comentários

  1. Usaram-na para o mal do povo e para o bem pessoal, esta o que temos e a imagem que nos passam.

    ResponderEliminar
  2. Não podias estar mais certa, infelizmente. Esqueceste-te só de dizer que muitas dessas falcatruas são feitas devido ao endividamento público...

    Quanto aos tachos não duvides: Esta foi também a revolução dos cravas...

    ResponderEliminar
  3. Boas.Já falamos muito sobre isto, e sabes já qual a minha opinião. Acho bem que se tenha feito uma revolução, mas não com cravos na lapela, não com cravos no cano da espingarda. Deveria ter-se feito sim uma guerra civil, daquelas com tiros a sério. Talvez aí se limpasse a gorcha de políticos corruptos que nos governam e que na altura já lá se encontravam sedentos de poder e dinheiro. Mas enquanto isso não acontecer, temos que penar muito.

    ResponderEliminar
  4. Vem mesmo a calhar a música do Gabriel o Pensador - "Até Quando?"

    ResponderEliminar
  5. Não se iludam ... os novos são mais sanguinários.

    Não escondo em quem votei, PS.
    Os novos que se perfilam, são piores que os que vão partindo, quer do PS, quer do PSD, ou CDS, onde tenho filhos, sobrinhos e afilhados de quem já foi alguém SÓ NO PEDESTAL e para roubar.
    Ás vezes digo e escrevo coisas que não posso demonstrar, mas veja-se de Norte a Sul a quantidade de Autarcas que foram, estão ou vão ser julgados por crimes de lesa cidadão, chamem-lhe peculato ou outro nome.
    O ser que os praticou é e será sempre um ladrão, mesmo absolvido por um qualquer juiz que o poder político corrompeu por tudo o que é sítio.
    Aqui, nestas matérias não há partidos ... há o amparar de uns aos outros em situações flagrantes de esbulho da coisa comum.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...