Avançar para o conteúdo principal

Petição

O 'Artista' que matou um cão à fome vai repetir o acto...
Atrasado mental que continua a pensar ser artista...Guillermo Vargas Habacuc, é um suposto artista que colheu um cão abandonado na rua, atou-o a uma corda na parede de uma galeria de arte e ali o deixou morrer lentamente de fome e de sede. Durante varios dias, tanto o autor de semelhante crueldade, como os visitantes da galería de arte presenciaram impassiveis à agonia do pobre animal.
Até que finalmente morreu de inanação, depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensivel calvario da besta chamado Homem.
Mas nao é tudo: a prestigiada Bienal Centroamericana de Arte decidiu, que a selvageria cometida por esta Besta das artes, Guillermo Vargas Habacuc fosse novamente convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal en 2008, acto este que podemos impedir, colaborando com a nossa indignação, protesto e assinatura nesta petição:
http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html, para enviar a petição contra o chamado 'artista' por tão cruel acto, por tão ínfima sensibilidade ao desfrutar em prazer com a dor alheia.

'Haverá sempre um cão abandonado ou indefeso, que me impedirá de ser feliz...'

Comentários

  1. Olá mac nem queria acreditar no que estava a ler, não encontro palavras para descrever o que foi feito por esse "artista". Tenho uma cadela e um gato tinha outro envenenaram-mo no natal do ano passado e ler algo assim é cruel!! ja assinei a petição.
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Na altura, eu fiz um comentário que não agradou a muito gente. Isto é, não dava importância ao falado "artista" (desconhecido até à data), mas sim à estupidez, anormalidade e completa falta de sensibilidade de QUEM IA VER TAMANHA EXPOSIÇÃO ou lá o que era, e não tomava nenhuma atitude (só mais tarde quando foi divulgado pela net e TV)perante os factos. Mas isso, também não me admira, pois somos capaz de ver um velho (ou jovem) deitado na rua, e não vamos perguntar: "Está tudo bem? Posso ajudar em alguma coisa?, Está a sentir-se bem?"

    Cada vez gosto mais de animais e detesto mais os homens. Alguém disse um dia.

    ResponderEliminar
  3. Palavra de honra que pensei ser notícia do dia 1.
    Só quando li os comentários é que ... fiquei estarrecido.
    Terá escapado, com vida, algum inquisidor da Idade Média?

    ResponderEliminar
  4. Por mim, se o gajo fosse mesmo artista, plantava era um pinheiro no traseiro (dele, pois claro).
    Já subscrevi!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...