Avançar para o conteúdo principal

Quero

Quero

Quero recomeçar de novo, quero voltar a ser criança,
Quero afastar de mim a marcha inevitável até à morte.

Quero voltar a escrever pela primeira vez o meu nome nos cadernos escolares,
Quero voltar a fazer mil tropelias elevadas a um qualquer expoenente matemático.
O tempo é um bom conselheiro, dizem eles,
Mas a mim faz-me sentir como uma qualquer tapeçaria velha,
Faz-me sentir o significado da palavra vulnerabilidade,
Faz-me sentir que sou apenas uma silhueta daquilo que já fui.

Quero sentir-me de novo leve como uma pena,
Correr mais veloz que o vento,
Sem qualquer obstrução ditada pela idade.

Não quero desaparecer como o orvalho matinal,
Apenas quero durar um pouco mais...
Apenas...
Até amanhã de manhã...


Texto publicado no 3º jogo das 12 palavras no Eremitério

Comentários

  1. dizes muito de mim neste texto, ADOREI!!
    um BEIJÃO


    PARADOXOS

    ResponderEliminar
  2. Eu também quero. Afinal, queremos todos.

    ResponderEliminar
  3. Não sei a sua idade, nem quero saber.
    Mas é mesmo verdade. NÃO QUERO.

    Aos 61 anos, (tenho a certeza que é muito mais nova), eu nunca recomeçaria a vida se me fosse dado fazê-lo.
    Todo o filme que está bobinado conta o que se passou. Não me arrependo de nada.
    Talvez uma ou outra coisa tivesse sido diferente ... mas adianta lamentarmo-nos pelo que queríamos fazer e não fizemos?
    A vida vai sendo gravada ...
    Só peço que acorde todos os dias com os dedos dos pés a mexer, sinal que estou vivo ... e venha o desconhecido dia!
    A idade não é um obstáculo. Verá ao longo dos anos que será uma bengala!

    ResponderEliminar
  4. Não acho que a idade seja um obstáculo. O único receio que tenho em receio em envelhecer, é envelhecer e perder a qualidade de vida e depender de alguém. Se me dessem a possibilidade de viver para sempre, ou para sempre jovem, dispensaria essa possibilidade...
    Fiz as minhas opções, algumas delas erradas, mas é assim que vamos aprendendo e evoluindo, e tornando-nos a pessoa que somos hoje em dia.
    Só é pena que a velhice seja muitas vezes acompanhada da decadência fisica e por vezes mental, mas se calhar também não era suposto os humanos durarem tantos anos...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...