Avançar para o conteúdo principal

Ana Moura

Ontem foi a primeira vez que fui assistir a um concerto de fado, estando um pouco reticente, dado que era a primeira vez que ouvia este estilo musical, mas curiosa ao mesmo tempo. O concerto era o de Ana Moura no Coliseu do Porto, e foi verdadeiramente fantástico. Adorei! Adorei! Adorei!
E sabem quando dizem que o fado toca na alma? Finalmente percebi essa frase...
O público vibrou e acarinhou esta fadista, que teve direito a várias ovações de pé, e teve como convidados especiais Maria da Fé, Jorge Fernando e Beatriz da Conceição.
Momentos altos da noite: interpretação dum tema sem recurso a microfone, soando a voz forte de Ana pelo Coliseu; actuação dos Mareantes do Douro, que com os seus bombos quase que deitavam a sala abaixo; interpretação do tema "Búzios" com o público a ajudar à cantoria.
Em Lisboa vai actuar dia 26 de Junho, também no Coliseu.

Comentários

  1. Não sou uma grande apreciadora de fado - apesar de já ter assistido a vários espectáculos - mas confesso que fico com a lágrima no olho quando oiço o Zeca Afonso a cantar o fado de Coimbra. Não sei se é por ser natural desta mesma cidade mas o fado de Coimbra é realmente tocante.

    :)*

    ResponderEliminar
  2. adoro, também eu gostaria de ter ido.

    ResponderEliminar
  3. Toca-nos e traspassa-nos, como um punhal de dois gumes.
    Não sou grande apreciador de fado, mas, a Ana Moura, (não sáo), tem voz para nos levar todos os sentimentos e deixar-nos despidos.

    ResponderEliminar
  4. Boas. Já conhecia a Ana Moura de cantar fado. Ela tem uma voz! Gosto também muito de ouvir o Camané, e acho que esta nova geração de fadistas é muito muito boa.

    ResponderEliminar
  5. É bom voltar aqui e sentir novamente a atmosfera deste sítio. Obrigada por teres estado presente no meu regresso. **

    ResponderEliminar
  6. porque nao consigo ver a foto?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...