Avançar para o conteúdo principal

Desculpas Olimpicas

Treinador de João Neto lamenta "jantares" que antecederam os Jogos
O treinador de João Neto, Fausto Carvalho, apontou hoje "a desconcentração, as circunstâncias do momento e as actividades marginais à modalidade" como razões principais do desempenho menos positivo do judo português nos Jogos Olímpicos de Pequim.


É só desculpas...Depois da desculpa dos árbitros, dum cavalo que não está habituado a ecrãns e do tempo, já só faltava esta...Haja pelo menos um minimo de dignidade e de saber perder.

Aos menos os paraolimpicos, que não recebem tantos apoios do Estado, que não recebem tantas palmadinhas nas costas, que não andam por aí a proclamar que têm a maior representação de sempre, e que por acaso até trazem resmas de medalhas mas não são elevados à categoria de heróis nacionais, não fazem estas figurinhas tristes...

Comentários

  1. E o outro que disse, alto e bom som, que a hora da prova não era a melhor. A essa hora gosta mais de estar na caminha :o(

    ResponderEliminar
  2. Já não é a primeira vez que ouço um dirigente desportivo vir com esses comentários acerca dos atletas. Refiro-me concretamente ao campeonato do mundo na Coreia onde no fim houve aquela polémica sobre o comportamento inapropriado dos atletas no estagio em Macau. Este senhor do judo se tinha queixas a fazer dos judocas, que as fizesse antes de serem eliminados, pois caso tudo tivesse corrido bem a Telma Monteiro e tivesse conseguido uma medalhita de pequim, esse senhor ficava calado .

    ResponderEliminar
  3. Desta vez, dou-te 100% de razão. Já não sei o que é pior: se os resultados, se as desculpas inventadas. Haja um mínimo de brio, que diabo!

    ResponderEliminar
  4. já começa a valer tudo como desculpa...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...