Avançar para o conteúdo principal

Big Brother

Com a criação da figura do secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, dando-lhe amplos poderes a nível operacional e de coordenação, e agora do microchip nas viaturas, o estado imaginado por George Orwell, totalitário e controlador, é cada vez mais uma realidade.

Havendo falta de incêndios, e a actualidade política estando tão morna, há que explorar a onda de violência que se tem fazendo sentir. Mas, não obstante essa exploração, a verdade é que a criminalidade violenta aumentou 15%.

Precisamos de mais polícia? Sim. Precisamos duma polícia mais musculada? Também. Mas é importante não esquecer que é nestas alturas, em que as populações estão inseguras, que surgem os Estados totalitários, apresentando a desculpa da insegurança para melhor controlar os cidadãos. Mais polícia sim, e mais segurança também, mas deixando sempre salvaguardadas as garantias e liberdades das pessoas. Estamos a entrar por um caminho perigoso, quanto a mim...

Comentários

  1. Era bom ... mas acabou-se ... voltei ao meu trabalho de reformado.

    Como ainda falta o chip sub-cutâneo, ainda não estaremos perto da segurança absoluta.

    Para já não me vou afligir muito ... quem tiver menos 20 anos é que terá de abrir os olhos e a mente ... porque o poder opressivo virá da Europa!

    ResponderEliminar
  2. por enquanto o chip só é obrigatório, depois, com o mesmo argumento será obrigatório em todos nós.

    ResponderEliminar
  3. Concordo contigo. Sempre fui a favor de um estado providencia e protector dos cidadãos, nunca de um estado perigosamente controlador.

    ResponderEliminar
  4. Só um pormenor que não referi.
    Temos a maior ou das maiores taxas de polícia/habitante.
    O que será que falha?
    Serão os polícias amanuenses de multas e papeis que enxameiam toda a nossa vida?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...