Avançar para o conteúdo principal

Jogos Paralimpicos

Primeiras medalhas nos Paralimpicos

E ao 5º dia os atletas João Paulo Fernandes e António Marques, arrecadaram as medalhas de ouro e prata respectivamente, na modalidade de boccia. As medalhas de Vanessa Fernandes e Nelson Évora foram consideradas a melhor prestação de Portugal nos últimos tempos.
Em apenas 5 dias, com um orçamento investido mais reduzido, com um protagonismo mais reduzido, e a expectativa dos portugueses sobre estes atletas mais que reduzida, é este o resultado que apresentam...

Bravo!! Continuação de um bom trabalho!!

Comentários

  1. É a 4ª vez que aqui venho para deixar um comentário.
    Fico com o computador "parado" e tenho mesmo de o desligar.
    Mas já passou ...

    Não sei se ainda existe um ditado ou refrão que dizia isto:
    "Quem tem fome, corre mais"

    Talvez a miséria que estes atletas recebem, comparada com o que as outras vedetas que ficaram nas "boxes", salvo uns poucos, dê razão ao dito refrão.
    Nem apoios condignos, durante o ano têm e elevam o nome deste pequeno rincão bem alto.
    Um dia ... quando os gatunos que nos têm roubado, desde que entrámos na CEE forem obrigados a deixar os lugares, talvez tenhamos políticos competentes.

    Mas só se tiram fotos ao lado de famosos ...

    Se tiver e-mail, vou-lhe enviar um texto em espanhol, duma apreciação ao nosso DESMESURADO DESENVOLVIMENTO.
    (se não tiver, deixo-o aqui num comentário)

    Um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. estes é que são realmente os nossos heróis.

    ResponderEliminar
  3. Dás-lhe forte.

    Pois… é assim, e, o pior, é que continuará a ser assim. A “modorra” continua.

    Abraço, Mac.

    PS: De regresso, ou a tentar…

    ResponderEliminar
  4. Já sei que mandei uma avalanche ... mas é a pior época do ano.
    Um dia vou saber tanto como os sábios ...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...