Avançar para o conteúdo principal

Obras à pressa

É interessante observar-se a ânsia de mostrar obra, agora que se aproximam as eleições autárquicas. Falo de Matosinhos, mas poderia ser outro qualquer concelho do país. Vejamos então: a 14 de Setembro foi inaugurada uma piscina municipal numa das freguesias de Matasinhos, com a presença do Ministro da Presidência; em 23 de Setembro foram distribuídos computadores Magalhães numa escola concelho,com a presença, nada mais, nada menos, de Sócrates. Os buracos que grassam na estrada são tapados; avenidas principais levam nova camada de alcatrão; ultimam-se obras à pressa, com a pressa de mostrar tarbalho; as passadeiras são pintadas...Até o programa cultural é mais vasto...Valha-nos ao menos isso...

Comentários

  1. Há que mostrar serviço ... há que mostrar serviço ... ainda por cima quando Narciso Miranda cisma que tem de ser candidato!

    ResponderEliminar
  2. Eu acho é que devia haver autárquicas todos os anos... Aí ia-se ver o país a andar para a frente!

    ResponderEliminar
  3. Sempre que aqui venho, encrava o computador.
    Só me sucede isto aqui e noutro blog.
    Será de mim?

    Era só para deixar um pequeno reparo.
    As ruas e avenidas, de todo o lado, menos no Porto, pelo menos no meu tempo), são pavimentadas ... passados uns tempos, as tampas das caixas de saneamento, deixam de ficar niveladas.
    Isto chama-se VIGARICE, porque existe uma Norma portuguesa que as obriga a cumprir determinados parâmetros.
    Só quem dá cabo dos carros é que sabe o que custa.
    Na Rua Duque de Loulé, no Porto, perto do semáforo ccom a Av. Rodrigues de Freitas, dei cabo da centralina do carro e duma panela, do depósito de combustível e dum filtro do mesmo.
    São ou foram 1870 euros.
    Por acaso a m7mulher chamou a polícia.
    Agora espero ser ressarcido, pode demorar, mas vou receber.
    Muitos não sabem como proceder.
    Agora que toda a obra é entregue a empreiteiros, chamam-se as autoridades e depois envia-se a conta para os SMAS-Porto, se dentro da cidade.

    É um cancro por todo o lado o desnivelamento das tampas, para não falar que não são as adoptadas e exigidas ... mas isso é outra história.

    Como vamos ter eleições, tudo vai ser cor-de-rosa, nem sei se até os impressos para votar ...

    ResponderEliminar
  4. A minha amiga nunca ouviu falar naquela máxima..."não se caçam leões com fisga, nem moscas com carabina"? Pois é...e por estas bandas qualquer dia começa a distribuição de micro ondas e televisores :o) Por isso, costumo dizer que temos o que merecemos...somos "nós" (salvo seja) que os colocamos no poleiro. E porque não...um dia destes...passar na cabeça do pessoal...não votar? Ficávamos com as obras feitas, piscinas inauguradas, estradas melhoradas, programas culturais de aplaudir e...Ok, lembrei-me, só isso. Mas que não é com o meu voto que eles vão para lá, isso é verdade.

    Bom domingo;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...