Avançar para o conteúdo principal

Últimos meses

Prefiro estes últimos 4 meses que nos restam até ao fim do ano, do que os meses de Estio ou mesmo a Primavera.
Gosto de Setembro por a praia estar finalmente entregue às gaivotas...Gosto de passar pela praia ao inicio da manhã ou ao fim do dia, e não ver ninguém...apenas a imensidão do mar, dum azul escuro, profundo, que nos toca cá dentro, a imensidão da areia, e gaivotas de peito ao vento a saborearem os raios de sol.
Gosto de Novembro pelas castanhas, de tê-las quentes e boas nas minhas mãos, pelo Magusto e o dia de São Martinho.
Gosto de Dezembro pelo Natal, pelos jantares em família, pelo presépio.
Apesar da chuva que por aí vem, e do frio que me vai obrigar a vestir luvas e mais algumas camisolas, gosto destes meses terminais. Além que sabe muito bem beber um chá quentinho na companhia de boa música...

Comentários

  1. É uma época que tem umas cores fantásticas, as melhores de registar, bons cheiros, a castanhas assadas, pinheiros e a Natal e muitas luz nos olhos do Lucas a sonhar com o que mais gostaria de ter na sua véspera.

    ResponderEliminar
  2. Será que ouvi falar em chã quente e boa música?
    Os meses terminais, como diz, são um dos momentos mais esplenderosos da natureza!
    Já Marguerite Yourcenar o vira e escreveu quando dizia que era no Outono que as árvores se mostravam na sua plena acepção.

    ResponderEliminar
  3. Nem todos somos iguais.
    para tomar banho no mar é necessário transportar uma garrafa termo com água quente.
    Prefiro o Junho, quando começam a nascer os verdes que nos amadurecem o Verão.
    Gostava de morrer ou adormecer, no dia 1 de Dezembro e ressuscitar a 6 de Janeiro, não suporto o consumismo do pior mês do ano.
    Ainda por cima é o mês que inexoravelmente envelheço todos os anos um ano ...

    ResponderEliminar
  4. Entro em tua casa e deparo com: férias nas Berlengas, onde eu ia frequentemente com meus pais, já lá vão quase 40 anos;
    gostos semelhantes em relação à natureza e às estações do ano(com algums ressalvas quanto ao Natal...);
    O "Blue in Green" que um dia destes pus no meu blog - sou fã incondicional de Miles Davies e do Coltrane, e não posso passar sem jazz.
    Comclusão: senti-me muito bem:))
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. O Natal que me encanta não é o Natal comercial e do Pai Natal. O meu Natal é do Menino Jesus, com as tradições, a Missa do Galo e as grandes jantaradas.

    ResponderEliminar
  6. Olá...

    Eu também gosto do Outono... é nesta estação que as pessoas se viram para dentro... é bom poder renascer de novo, e recuperar energias. O silêncio da casa, das ruas, do mar, da música, do chá, tudo isso liga-nos à natureza.

    Obg!

    ResponderEliminar
  7. No Porto, estes últimos 4 meses parecem ganhar uma magia única, com pessoas a vender castanhas, aquelas chuvadas, na baixa, com a igreja da Batalha a fazer ecoar o seu carrilhão, as luzes no natal na névoa difusa... É um cenário mágico... Faz-me sonhar

    Antitudo

    ResponderEliminar
  8. Mesmo gostando mais do sol, confesso que efectivamente estes últimos meses do ano têm algo de mágico (e também preocupações...mas isso é outro assunto). E agora vou acabar de beber a minha caneca de chá e comer a minha torrada :) Depois...vou dar um passeio pela beira mar ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...