quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Paraíso

E este foi o meu local de férias: as ilhas das Berlengas, situadas ao ao largo de Peniche...Foram 5 dias paradisíacos, passados de papo para o ar, a ouvir o mar, as gaivotas e o silêncio...


As viagens, realizadas entre Maio e Setembro, podem ser efectuadas nos barcos situados na ribeira de Peniche, e os bilhetes comprados nas casinhas de madeira situadas nesse local.
Como alojamento disponível existe o parque de campismo, com condições muito básicas e a 9€ por noite; o Restaurante Mar e Sol, com quartos disponíveis para alugar a partir de 75€ ; e o Forte de S.João Baptista, com quartos a 11€ por noite.

Optei por ficar no Forte, e até havia uma história dum monge fantasma que andaria a assombrar a sala de convívio para apimentar a estadia. Diga-se de passagem que eu e o meu amor éramos as únicas pessoas a utilizar essa sala...
Para terminar, resta acrescentar que quase ficávamos retidos na ilha contra a nossa vontade. É que no último dia, o mar estava agitado, e até à última da hora havia a dúvida se o barco teria condições para nos ir buscar. A coisa lá se resolveu pelo melhor, e depois duma viagem um pouco atribulada, lá chegámos a Peniche...
Para mais informações:

12 comentários:

  1. Belas férias essas! Longe de tudo. Com o mar por companhia. Que inveja! :) **

    ResponderEliminar
  2. Excelente reportagem, que me levou nas asas da memória até ao tempo em que por lá passava fins de semana com meus pais, nesse paraíso que ainda contua a ser.
    Obrigada pela partilha

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Peço desculpa, fui eu que me enganei!
    Ia dizendo que as cores lindas são reais, apesar do aspecto fantasmagórico e encantado dessa ilha. Até as gaivotas têm um cinzento diferente.
    Agradeço (enjôo imenso, nunca lá poderia ir) o belo filme que me permitiu, uma vez mais, (há mais apaixonadas pelas Berlengas!) viajar sem sair.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. A viagem é rápida, nem dá para sentir enjoos... :-))

    ResponderEliminar
  6. Presumo que já tenhas tido a sorte de ir num dos barcos novos, como o fizeram no ano passado os meus filhos e marido.

    Eu já lá fui há 20 anos, mas num daqueles barcos que tinha um balde debaixo de cada lugar...
    Fui nessa altura com os meus cunhados alemães que se fartaram de gozar comigo até sairmos do porto de Peniche, porque eu dissera que tinha medo.
    Quando chegámos às Berlengas, a minha cunhada, que fez grande uso do referido balde, disse:
    -"Agora já percebi, os portugueses têm medo e os alemães vomitam"!

    Este ano limitei-me a fotografá-las de Santa Cruz, sempre que a boa visibilidade o permitia. Ainda tive dia combinado para lá voltar, mas com o vendaval que se pôs, não nos atrevemos.
    Com as tuas belas imagens, já não ficou tudo perdido!
    Obrigada!
    Beijinho e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  7. Pois ... eu já estou como a Mena ... aquele mar é demasiado agitado para mim! E depois de lá estar continua a ser mar por todos os lados ... é cá uma aflição!! Valham-me as fotos que vi e as conversas de quem já la foi e adorou. Acredito que deve ser um paraíso.
    Um abraço e obrigada por partilhares connosco.

    ResponderEliminar
  8. Estive nas Berlengas quando tinha 15 anos e nunca mais voltei. Lembro o azul belíssimo da água e o silêncio límpido mas também lembro o enjoo e os vómitos terríveis que tive durante a viagem. O tal balde de que a Mena fala esteve sempre ao pé de mim a fazer-me companhia...

    ResponderEliminar
  9. Conheço muito bem Peniche, tenho lá família e a minha mulher já lá trabalhou, no início da carreira. No entanto...nunca fui ás Berlengas :o) Eu, o mar, os barcos, as condições climatéricas...não temos (como assim dizer) uma relação muito boa :)
    Xi coração do também (e finalmente)regressado de férias :)

    ResponderEliminar
  10. Há pessoas que quando chegam lá, ás Berlengas, já deixaram sair as tripas pela boca fora.
    Ao primeiro balanço, nem dá para desviar.
    Há muitos anos, o barco voltou para trás, porque alguém vomitou as tripas por cima dum dos meus filhos e não ia andar assim todo o dia.
    Ainda houve um burburinho, mas depois todos acederam.
    Já lá não vou há mais de 25 anos.

    Mas que é um descanso que arrepia e carrega as baterias para muito tempo.
    Antigamente não havia nada.
    O barco levava uns peixitos para uma caldeirada, normalmente também sardinhas e chocos e uma panela para cozinhar a dita.
    Não havia condições nenhumas.
    Também se não preservarem o pouco que temos ...

    ResponderEliminar
  11. Devem ter sido umas belas férias, de facto!

    ResponderEliminar
  12. É pois parece um bom local para passar férias ou fim de semana. Quanto ao barco, só vi um pouco dele, mas não parecia barco a remos. Quanto à música dos Pink Floyd, sim senhor muito bom gosto.
    beijinhos e bom trabalho

    ResponderEliminar

The summer is gone III