Avançar para o conteúdo principal

Casa

"Casa

Tentei fugir da mancha mais escura
que existe no teu corpo, e desisti.
Era pior que a morte o que antevi:
era a dor de ficar sem sepultura.


Bebi entre os teus flancos a loucura
de não poder viver longe de ti:
és a sombra da casa onde nasci,
és a noite que à noite me procura.


Só por dentro de ti há corredores
e em quartos interiores o cheiro a fruta
que veste de frescura a escuridão. . .
Só por dentro de ti rebentam flores.
"


David Mourão Ferreira



Comentários

  1. Enorme poeta este homem era! E a música está muito bem escolhida. Está-se bem aqui...

    ResponderEliminar
  2. Olá Mac! Novo visual, tão arrumadinho!!!
    Li há pouco "Um Amor Feliz" que propositadamente "só" agora quis ler. Um homem que tão bem descreve o encanto do amor e da mulher, é um homem BELO! Como aqui se encontra.

    Sobre os socalcos: sinceramente, nem sei que te diga. Os romanos já conheciam aquele néctar dos deuses, como tão bem demonstram as lagaretas encontradas. O Marquês de Pombal "demarcou" o Douro e a sua região de vinhos. Aquela paisagem de terra quente foi amorosamente "socalcada" entre o xisto, o granito, o quartzo, com lágrimas e canções, escravatura de criados dos senhoritos ricos, ingleses e outros. Com o suor dos nossos bisavós também. É única e no essencial, manteve-se. Que mais te poderei dizer? Que a beleza está metida nesse milagre, de fragas duras e vides secas, vidas antigas.
    Concordo que o afã de produtivizar e rentabilizar as terras possa descaracterizá-las. Não me parece (ainda) o caso.
    Bjinho

    ResponderEliminar
  3. Não sou mentiroso, por isso digo...nunca li nada de DMF.

    Gostei;)

    ResponderEliminar
  4. muito bom. muito bom.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Tenho que confessar que nuca li nada de DMF. Vi este poema afixado numa galeria-bar no Porto, e apaixonei-me por ele...

    ResponderEliminar
  6. ... malandra, há que ler o David!

    A menina no nosso post de hoje - Domingo - tem lá uma surpresa ...

    ResponderEliminar
  7. David Mourão-Ferreira, um dos nossos poetas maiores, sonetista exímio e cantando o amor como ninguém.
    Este belo poema cantado pelo Luís Cília é qualquer coisa de admirável.
    Gostei da tua participação no 7º Jogo estás de parabéns. E obrigada pelas partilhas.
    Bom domingo
    Bjs
    Luz e paz

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...