Avançar para o conteúdo principal

Sugestões

Enquanto aguardo inspiração para um novo post, ficam aqui algumas sugestões:

Jacinta - 24Nov no CCB e 2Dez no CineBatalha (Porto)
Apresentação do segundo disco, gravado em Nova Iorque com grandes nomes do jazz americano, entre os quais Greg Osby, que também assina a produção do álbum. O espectáculo Day Dream insere-se no âmbito de uma grande digressão nacional. Duke Ellington, Thelonious Monk, Cole Porter são autores que Jacinta interpreta e, pela primeira vez, temas em Português – de José Afonso, Tom Jobim e Djavan, foram os escolhidos.

The Gift - 2Dez Fnac NorteShopping e 9Dez CCB
Apresentação do novo trabalho "Fácil de Entender".

Serralves - ANOS 80: UMA TOPOLOGIA: 11 Nov 2006 - 25 Mar 2007

Revisitar os anos 80. Reconsiderar os anos 80 pode servir como ferramenta para destacar e reflectir sobre alguma da arte do presente. Esta será uma exposição de grandes dimensões que utilizará todos os espaços do Museu, reunindo pela primeira vez em Portugal um conjunto muito significativo de obras fundamentais de uma década que também enquadrou a abertura internacional da arte portuguesa, se bem que essas mesmas obras só agora sejam vistas pela primeira vez no país.

Comentários

  1. Minha querida Dragona....
    Não é segredo Nenhum , já o referi varias vezes e em vários Bloggs, ès uma das minha bloggers favoritas!
    Desenvolvi por ti um carinho e um afecto verdadeiramente sincero e obviamente que o sinto reciproco....
    Por isso...dou-te um imenso beijo nesta chuvosa e fascinante tarde!
    Adorei as sugestões!
    Adoro Jacinta e vibro com The gift!
    Um beijo para ti!
    De uma amigo especial e Benfiquista!

    Paulo

    ResponderEliminar
  2. O meu bilhete para a Jacinta já está comprado, e dia 2 lá estou eu a ver os Gift.

    ResponderEliminar
  3. Tudo muito longe de mim! :)
    Bom fim de semana. **

    ResponderEliminar
  4. A Jacinta e os Gift também actuam em Lx.

    ResponderEliminar
  5. Vi a Jacinta aki ha uns anos no Rivoli , foi uma das melhores experiencias ke já tive. A seguir a Sigur Rós , Sigúr 4ever :p

    O "fácil de entender" é uma música deliciosa, dia 2/Dez tou lá, dp combinamos melhor.

    Qt a Serralves ...já estava na minha agenda, não gostei foi da tua sugestao de domingo de manha LOL.

    beijinhos á la Jean-Baptiste (private joke)

    ResponderEliminar
  6. Tive ja o prazer de ver a Jacinta ao vivo na FNAC do Chiado, acompanhada pelo Mário Barreiros à bateria, há uns 3 anos atrás...
    Foi lindooo, e de borla!! eheheh

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...