Avançar para o conteúdo principal

Cheias



Comentários

  1. É certo que tem chovido bastante mas pergunto-me sempre se são tomadas todas as medidas de prevenção que evitem que isto aconteça, repetidamente. **

    ResponderEliminar
  2. :) desta vez apanhei umas molhas mas a água não me chegou ao tornozelo...o que já foi MTO bom!!! ;)

    ResponderEliminar
  3. Bem... comentários a este post só mesmo no meu ultimo post... Fica bem!

    ResponderEliminar
  4. Este país é assim...não resiste a calor, não resiste a chuva. Enfim, resta a boa vontade dos portugueses para aturar o pouco cuidado das câmaras, na maior parte das situações.

    Não saio sem te dizer que também eu voto SIM.

    Boa semana!

    ResponderEliminar
  5. A culpa dissem eles, dos incêndios e das chuvas, é do aquecimento global. Para mim é desculpas de "mau pagador". O que irão inventar a seguir?

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga.....
    O teu ultimo commente aqui mesmo neste espaço coment..
    Diz exatamente aquilo que eu queria dizer!
    Mas mais grave qiue isso até....
    As ciudades crescem a um ritmo louco!!!!
    Tudo baseado no negocio do betão!
    E NUNCA se planeiam as infraestruturas minimamente! Posso te assegurar (até com imenso conhecimento de causa...) que grande parte do sistema de escoamento das aguas puviais desenboca em lado algum!!!!!
    poem meia duzia de tubos para a inspeção ver... e toca andar!!!
    poços sumidouros??? condução e tratamento e (mais importante) reutilização das mesmas???? nada disso!!!!
    (conheço casos de bocas de incendio que so têm a torneira mesmo!! nem pinga dágua....enfim...)
    agora poderiamos falar na limpeza das margens e dos rios....
    e ambos sabemos aonde terminaria a discussão! Na culpa que morre sempre solteira!!
    Olha... um beijo doce para ti querida amiga!
    Mil beijos até....

    ResponderEliminar
  7. Confesso que este tempo não me deixa com boa disposição. Mas é o que temos. Vou pedir ao Pai Natal para enviar Verão!!! :):):)

    ResponderEliminar
  8. Não sendo este tempo recomendável para a arte, recomendasse no mínimo, um material decente, ou seja: uma máquina de retratos que, ao contrário de ameaçar, passe aos factos, para que o esforço feito pelos observadores tenha um mínimo de recompensa.

    Mas tudo bem, sabemos que a intenção foi a melhor e só por esse facto, estamos imensamente agradecidos.

    Quanto ao conteúdo:
    Assim é que é! Afinal para que servem os leitos dos rios, senão para construir? Era o que faltava… ficarem aquelas territas para ali abandonadas, à espera de uma chuvita que nunca se sabe se vem ou não de tão fugidia que por vezes é. Já para não falar da meritória obra cívica, em que o homem tem posto todo o seu empenho; falo evidentemente, na trabalheira que tem dado impermeabilizar os solos a fim de que não se estraguem e, mesmo assim, quando calha, lá vem ela mais forte que estraga grande parte do trabalho, tendo de se recomeçar.
    Por este andar, nunca mais se acaba a tarefa.

    Mas enfim… lá se vai tentando.

    Abração.

    ResponderEliminar
  9. Saudações Mac,
    Obrigado plea visita. Oportuno o seu comentário... Faz tempo que não compro nada da China. Quando soube das condições de trabalho por lá, e da semi-escravidão a que são submetidas as pessoas, deixei de comprar qualquer coisa que venha de lá.
    Abraços

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...