Avançar para o conteúdo principal

Tentativa de acabar com a mama...



Clientes podem exigir à banca devolução dos arredondamentos
Regras para cálculo da taxa do crédito à habitação foram fixadas pelo Governo e têm carácter retroactivo.

http://dn.sapo.pt/2006/11/03/economia/todos_poder_reclamar_arredondamento_.html

Comentários

  1. Passei para te deixar um beijinho e desejar um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Nada de euforias ...a mama não acabou, o mamilo é que vai mudar. Ou não fossem eles "A Banca de milhões de lucros".
    Agradeço e retribuo visita ao meu blog. Prometo voltar.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  3. Mas por isso é que no título está "Tentativa". É que eu duvido que a Banca baixe os braços sem dar luta; vamos continuar a pagar a factura, o pretexto é que vai mudar. Mas pronto, não deixa de ser uma boa notícia. Ilusória, eu sei, mas deixem-me sonhar...

    ResponderEliminar
  4. esses totós que um matou o outro para ficar com roma deviam era ter morrido à fome... lol

    ResponderEliminar
  5. Ai, ainda lhes sobra muito! E aquilo que nos derem por um lado, tiram por outro! **

    ResponderEliminar
  6. querida amiga...
    Muito sinceramente...Nem me apetece comentar o post...
    Apetece-me estar um pouco contigo!
    Dar um pouco de descanso ás agruras!!!!
    Vamos ouvir o excelente money..( e talvez dar um pé de dança no " on the turning away..") e ficar um pouco em teu espaço...
    Serves-me um chá, e nos quedamos a conversar um cadinho...
    Tambem é bom!

    Um beijo
    Paulo

    ResponderEliminar
  7. É um pequeno passo, mas desengana-te. Eles ainda hão de mamar muito... Até ficarmos mesmo sequinhos...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...